Conecte-se conosco

Sociedade

80 anos de Bob Dylan

Publicado

em

Voiced by Amazon Polly

Em 24 de maio de 1941, há exatos 80 anos, nascia Robert Allen Zimmerman, conhecido mundialmente como Bob Dylan. O cantor, compositor, escritor, ator, pintor e artista visual norte-americano se tornou uma das figuras mais importantes da cultura popular. Um ícone. 

As músicas poéticas e de versos compridíssimos de Bob Dylan, repletas de protestos contra a Guerra do Vietnã e a favor dos direitos civis, influenciaram, praticamente, toda a geração do rock dos últimos 50 anos; na sonoridade e na mensagem; na atitude e na estética; seja feita por um violão ou por uma guitarra elétrica; com uma simples gaita ou somente recitada em cima de um palco.  

Então, que tal curtir uma das marcas registradas de sua carreira a icônica Knockin’ on Heaven’s Door

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Sociedade

Rita Lee de corpo e alma

Publicado

em

Por

Voiced by Amazon Polly

“Tudo muda o tempo todo. Aos 73 anos, por exemplo, tenho meus cabelos brancos. Já fui loira, já fui ruiva — que era um sol na cabeça — e agora tenho a lua comigo. Sinto também um vetor da vida que transforma o desejo. Já transei para caramba e, agora, tenho mais ‘tesão na alma’. Um prazer que é despertado por um bom livro, meditação, quando tento me comunicar telepaticamente com irmãos das estrelas, com meus rituais espirituais… Então, mude! Já que não tem jeito mesmo, abrace a mudança. Com essa música, gostaria de dar um upgrade no lado legal, quero viver no arco-íris, na coisa bacana, na pureza, na coragem, na liberdade… apesar desse momento tão escuro que o Brasil enfrenta.”

Rita – 50 anos de carreira no Museu da Imagem e do Som de São Paulo

Seres de luz

“Fiz um pacto com o universo, com o Criador, com os ‘seres de luz’, de que ia segurar a barra de ter um câncer no pulmão. Fiz a radioterapia e agora faço quimioterapia. Os exames estão ótimos. Mas fácil não é. Vi minha mãe passar por isso: quimio, radio… e, há 45 anos, a medicina era muito diferente. Tinha trauma do jeito que ela ficou. Então, quando o médico falou que precisava fazer o tratamento, a primeira coisa que pensei foi: ‘Eu sabia!’. Sabe por quê? Por causa dos sinais que recebi. Sabia que iria acontecer algo. Quantas vezes não disse que teria de pagar algum pedágio da vida? Era um sopro atrás do outro: ‘Pare de fumar. Você fuma desde os 22 anos, pare agora’. Era como uma luz que acendia no fundo da mente. Fora as coisas que me eram esfregadas na cara. Ia ler jornal, e estava lá uma personalidade dizendo que havia parado de fumar. Estava na estrada, parava atrás de um caminhão e estava escrito: ‘Pare de fumar’. Com a pandemia, aquele baixo-astral no mundo, não tem como não ser afetado: passei a fumar o triplo de antes. Tenho essa coisa de católico, de culpa, e continuei a me desrespeitar. E quando o médico falou: ‘Você está com câncer no pulmão’, fechei os olhos e pensei: ‘Danadinhos, sarcásticos’. “

por O Globo

Continue lendo

Copyright © 2021 DiBahia CNPJ: 41.275.067/0001-16