Conecte-se conosco

Mundo

URGENTE – Presidente do Chade Idriss Déby é morto em campo de batalha

Publicado

em

O Presidente do Chade, Idriss Déby, que estava no poder há 30 anos, morreu esta terça-feira após ferimentos sofridos enquanto comandava o exército na luta contra rebeldes no norte de Chade, anunciou o porta-voz do exército.

Chade, também chamado de Tchade, oficialmente República do Chade é um país sem acesso ao mar, localizado no centro-norte da África. Faz fronteira com a Líbia a norte, com o Sudão a leste, com a República Centro-Africana a sul, com Camarões e Nigéria a sudoeste e com o Níger a oeste.

O Presidente Idriss Déby, de 68 anos, morreu em consequência de ferimentos sofridos enquanto comandava o exército num combate no norte contra rebeldes da Frente para a Mudança e Concórdia no Chade (FACT), durante o fim de semana, anunciou o porta-voz dos militares na televisão estatal.

“É com profunda amargura que anunciamos ao povo chadiano a morte esta terça-feira, 20 de abril de 2021, do marechal do Chade”, enquanto “defendia a integridade territorial no campo de batalha”, anunciou o porta-voz do Exército, general Azem Bermandoa Agouna, numa declaração lida na TV Tchad. 

Entretanto, um conselho militar tomou o poder no Chade. O filho do chefe Estado Mahamat Idriss Déby Itno, chefe da guarda presidencial, foi nomeado como seu sucessor.

A morte de Idriss Déby, um dos líderes africanos há mais tempo no poder, ocorre um dia depois de ter sido anunciado como vencedor das presidenciais de 11 de abril e reeleito para um sexto mandato, com 79,32% dos votos, segundo resultados provisórios divulgados pela Comissão Nacional Eleitoral Independente.

da redação com Agências internacionais

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Mundo

Fóssil de dinossauro brasileiro gera crise internacional com a Alemanha

Publicado

em

Por

Voiced by Amazon Polly

O fóssil do dinossauro Ubirajara jubatus, encontrado no Ceará e tido como uma das peças mais interessantes da coleção do Museu de História Natural de Karlsruhe (SMNK), é alvo de uma disputa com paleontólogos no Brasil.

Segundo a Sociedade Brasileira de Paleontologia (SBP), o material foi retirado ilegalmente do Brasil. Mas a instituição alemã afirma que não devolverá a peça, argumentando que o fóssil chegou ao país antes da entrada em vigor da convenção internacional que estabelece a devolução dos artefatos e que, por isso, ela é legalmente propriedade do estado alemão de Baden-Württemberg, onde fica Karlsruhe.

“Ele [fóssil] foi adquirido antes da entrada em vigor da Convenção da Unesco sobre os Meios de Proibir e Prevenir a Importação, Exportação e Transferência Ilícita de Propriedade de Bens Culturais e foi importado em conformidade com todas as regulamentações alfandegárias e de entrada”, argumenta o governo de Baden-Württemberg.

Brasil x Alemanha – fóssil do dinossauro Ubirajara jubatus, encontrado no Ceará

“Já que o objeto foi legalmente importado para a Alemanha antes de 26 de abril de 2007, nenhuma devolução é necessária. O fóssil está agora no Museu Estadual de História Natural em Karlsruhe. O proprietário é o estado de Baden-Württemberg”, acrescenta a autoridade.

O museu afirma que o fóssil está “preservado para a posteridade”, estando disponível para a comunidade internacional para propósitos científicos.

Viveu há mais de 110 milhões de anos

Embora a convenção da Unesco seja da década de 1970, uma lei da Alemanha, de 2016, determina que todo material levado para o país antes de 26 de abril de 2007 é considerado como legalizado no país.

Ubirajara jubatus é do período Cretáceo e viveu cerca de 110 a 115 milhões de anos atrás. Carnívoro e com apenas cerca de um metro de altura, é considerado o primeiro dinossauro não voador com penas encontrado na América Latina.

Devido à disputa, em torno do fóssil, um artigo científico descrevendo o animal da revista especializada Cretaceous Research foi retirado temporariamente do ar.

O fóssil foi encontrado em uma pedreira na região da Bacia do Araripe, entre os municípios de Nova Olinda e Santana do Cariri, no Ceará, e transportado para a Alemanha em 1995 para a realização de um artigo de uma revista científica.

Segundo o estudo publicado, houve a autorização para essa transferência, concedida pelo escritório regional do antigo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), atual Agência Nacional de Mineração (ANM).

Museu de História Natural de Karlsruhe (SMNK), é alvo de uma disputa com paleontólogos no Brasil.

Versões conflitantes

Mas o documento que autorizou a retirada usa uma linguagem genérica, falando apenas em “caixas com fósseis”, com assinatura de um funcionário condenado por fraudar laudos para a extração de esmeraldas.

De acordo com o portal de notícias G1, após apurações sobre a suposta autorização, o Ministério Público Federal (MPF) encontrou versões conflitantes entre o que dizia o museu e os servidores envolvidos no caso. A SBP também afirma que de acordo com a legislação brasileira, seria necessário um aval do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações para autorizar o transporte para fora do país.

Desde 1942, o país considera que os fósseis são patrimônio nacional. É proibido vendê-los e é obrigatório ter uma autorização para retirá-los do país.

Uma portaria do MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) de 1990 proíbe a saída do território nacional dos chamados holótipos —exemplares usados como referência na descrição das espécies—, como é o caso do fóssil do Ubirajara.

Campanha na internet

A decisão da instituição alemã irritou a comunidade paleontológica brasileira e tem repercutido nas redes sociais. Internautas, principalmente os da comunidade científica, lançaram uma campanha pedindo o retorno do fóssil ao Brasil e acusando os alemães de desrespeitarem as leis internacionais e a legislação brasileira.

Eles compartilham artes e hashtags em diferentes idiomas. A UbirajarabelongstoBR (“Ubirajara pertence ao Brasil”, na tradução livre) foi usada por perfis estrangeiros que apoiam a causa.

Também foi criado um abaixo-assinado com pedido de repatriação do exemplar. O documento já conseguiu mais de quatro mil assinaturas.

md (DPA, ots)

Continue lendo

Copyright © 2021 DiBahia CNPJ: 41.275.067/0001-16