Conecte-se conosco

Economia

Um ano dos 63 mil pontos: a trajetória do Ibovespa desde a mínima durante a pandemia e o que esperar daqui para frente

Publicado

em

Depois do rali dos bancos centrais e das vacinas, a Bolsa enfrenta os desafios da incerteza política, mas há quem defenda um “otimismo cauteloso”

SÃO PAULO – O Ibovespa completa nesta terça-feira (23) um ano desde que atingiu sua mínima no crash do coronavírus, batendo 62.161 pontos – terminou a sessão em 63.569 pontos. Na época, a Bolsa passava por uma sequência de circuit breakers, no auge do pânico com a pandemia.

Desde então, o principal índice da B3 teve uma forte recuperação e no fechamento de ontem (22), aos 114.978 pontos, estava 80,8% acima do nível de um ano antes.

Na opinião de Roberto Attuch, CEO da Ohmresearch, essa recuperação da Bolsa seguiu as três etapas da retomada nos mercados globais posterior ao auge do pânico em torno da Covid-19.

“A primeira fase veio do aumento da liquidez no mundo todo pela atuação dos bancos centrais. A partir de novembro, começou a segunda fase com a divulgação de testes satisfatórios das vacinas da Pfizer e a eleição de Joe Biden como presidente dos Estados Unidos. Depois veio a terceira fase em 6 de janeiro com o fim do consenso sobre o dólar se depreciando em relação às moedas globais devido à vitória democrata”, lembra Attuch.

Para o futuro, o especialista não espera uma grande valorização da Bolsa por aqui como ocorreu antes. Isso porque diversos fatores de risco que não existiam em dezembro do ano passado entraram no horizonte dos investidores.

O principal, de acordo com Attuch, é a antecipação do debate eleitoral de 2022 agora que está quase certa uma polarização entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva para o ano que vem, que ganhou força após o ministro do Supremo Tribunal Federal, Edson Fachin, de anular as condenações do petista no âmbito da Operação Lava-Jato, colocando-se de volta ao jogo eleitoral.

“Estou no campo dos analistas que acreditam que isso forçará o governo atual a ficar mais populista”, destaca o estrategista, para quem as duas grandes questões a se monitorar de hoje em diante são como será a busca por popularidade do governo e como o Brasil lidará com o recrudescimento da pandemia de coronavírus.

“No curto prazo é difícil que a Bolsa suba muito a menos que haja uma surpresa no avanço da vacinação seguida por uma queda no ritmo de contágios”, prevê.

Já Bruno Marques, gestor de fundos multimercados da XP Asset Management, diz estar cautelosamente otimista com a Bolsa. Citando Henrique Bredda, gestor da Alaska, Marques destaca que “descrença leva a desconto” e é isso que ocorre no mercado brasileiro hoje.

“Do final de 2019 para cá, dá para ver que o Ibovespa teve uma recuperação parcial no máximo. Estamos parados há um ano e meio, enquanto as bolsas americanas sobem 25% em relação ao nível do fim do ano retrasado”, ressalta.

Se a comparação do Ibovespa com o S&P 500 parece injusta por diversos fatores como a diferença do ambiente fiscal no Brasil e nos EUA, a análise do histórico do valuation (valor justo de mercado de uma firma baseado na projeção de fluxo de caixa descontado) das empresas do índice também aponta para interpretações de que a Bolsa está barata por aqui.

“A projeção do lucro por ação das companhias do Ibovespa está muito maior do que em 2019. Se as empresas brasileiras entregarem pelo menos o resultado esperado pelo mercado então a Bolsa está muito barata”, comenta.

Uma outra razão para se estar otimista, de acordo com o gestor da XP, é que a despeito do noticiário negativo por causa da desorganização política, a questão das vacinas está bem encaminhada no País. “A previsão da XP é de que entre o final de maio e meados de junho vacinemos 100% da população de grupos de risco e de que até outubro tenhamos vacinado 80% de todas as pessoas que precisam ser imunizadas.”

Já em relação aos riscos, Bruno Marques enxerga a desorganização política durante as próximas semanas como o maior perigo para quem tem uma visão construtiva na renda variável. “Serão semanas muito duras, com sinais de falência do sistema de saúde no Brasil inteiro, o que pode levar a consequências imprevisíveis”, diz.

Todavia, Marques argumenta que não vê tanto risco associado à polarização quanto a maior parte dos especialistas do mercado. “A maior parte das eleições no Brasil foram ganhas quando um candidato de extremo conseguiu conquistar o eleitor moderado. Espero que tanto o Lula quanto o Bolsonaro apresentem discursos mais moderados até 2022.”

Todavia, o gestor deixa claro que seu cenário-base otimista não quer dizer que as coisas não possam piorar. “O descrédito leva a desconto, porém não é sem razão que os investidores estrangeiros têm medo do Brasil. Nós temos um longo histórico de decepcionar os mais otimistas”, conclui.

Leia também: Brasil perde espaço e ações mexicanas atraem apostas na América Latina

Neste sentido, vale ressaltar que diversos grandes bancos estão reduzindo a sua exposição no país em seu portfólio na América Latina. com outros países ganhando atratividade. Dentre as instituições, estão o JPMorgan, o Credit Suisse e grandes gestoras de ativos como a Schroders.

Entre os motivos para a redução da exposição em ações brasileiras, a incerteza política crescente e dúvidas sobre o ritmo da recuperação econômica.

Pesquisa realizada pelo Bank ok America (BofA) entre os dias 8 e 12 de março com 25 gestores de recursos mostra que 20% esperam que o Ibovespa encerre o ano acima dos 130 mil pontos. No mês passado, esse percentual estava em 54%.

Já a parcela dos consultados, que são responsáveis por US$ 86 bilhões sob gestão, que veem o benchmark da bolsa fechando o ano entre 120 mil e 130 mil pontos passou da casa dos 20% para mais de 30% dos entrevistados. O levantamento revela ainda que a maioria dos respondentes acredita que o mercado de ações brasileiro terá um desempenho pior do que outras classes de ativos da região.

Histórico: como chegamos até aqui

Depois de marcar seu fundo perto dos 63 mil pontos, o benchmark teve uma caminhada praticamente em linha reta até os 100 mil pontos, recuperados em 10 de julho, dia em que o Ibovespa fechou nos 100.031 pontos.

Essa melhora no desempenho do índice foi impulsionada pelos estímulos monetários e fiscais adotados por países do mundo todo e também pelas perspectivas de desenvolvimento de uma vacina contra a Covid-19. O índice atingiu em 29 de julho os 105.703 pontos – fechou em 105.605 pontos – encerrando a primeira etapa do rali de recuperação.

A partir daí, a Bolsa no Brasil não conseguiu mais acompanhar a disparada registrada pelos mercados internacionais. A grande virada ocorreu no dia 11 de agosto, quando os secretários especiais de Desestatização e Privatização, Salim Mattar, e o de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, pediram demissão do Ministério da Economia.

O que foi chamado na mídia como “debandada” da equipe econômica liberal do governo acabou gerando temores de que a gestão Bolsonaro não fosse capaz de aprovar reformas que promovam o ajuste fiscal e garantam a capacidade do Tesouro de pagar suas obrigações com investidores.

Foram meses de incerteza até que o capital estrangeiro trouxe o benchmark de volta a patamares acima dos 100 mil pontos. O Ibovespa retornou ao patamar psicológico em 20 de outubro, quando subiu 1,91% a 100.539 pontos.

Esse retorno dos estrangeiros, segundo Roberto Indech, estrategista-chefe da Clear Corretora, está ligado à redução das incertezas no noticiário internacional, uma vez que passaram as eleições presidenciais dos EUA, e ao início da vacinação com os imunizantes da Pfizer/BioNTech e da Moderna.

O mês de novembro foi uma grande demonstração disso. A entrada de investimento dos estrangeiros na B3 bateu R$ 31,46 bilhões, o recorde desde o início da série histórica iniciada em 1995. Isso resultou em uma valorização de 15,9% no índice naquele mês, alcançando 108.893 pontos.

Já em dezembro o Ibovespa teve um fluxo positivo de R$ 19,74 bilhões, o segundo maior aporte mensal da história. A alta do benchmark no mês foi de 9,3% e o índice encerrou 2020 cotado a 119.017 pontos, um ganho de 2,92% em relação ao nível do final de 2019.

No começo de janeiro, o Ibovespa indicou que seguiria nessa toada, atingindo sua máxima histórica no dia 8, quando a Bolsa atingiu sua máxima histórica aos 125.323 pontos – fechando em 125.076 pontos. Da mínima do fechamento de 23 de março do ano passado esse rali até os 125 mil pontos em 8 de janeiro representa uma valorização de 96,76%.

Do dia 19 ao dia 27, entretanto, o benchmark caiu por seis pregões consecutivos diante das notícias de que o presidente Jair Bolsonaro poderia pressionar pela prorrogação do auxílio emergencial por conta da queda na sua popularidade captada em pesquisas eleitorais.

Bolsonaro voltou a causar preocupações no mercado no dia 19 de fevereiro, quando demitiu o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, por discordar dos reajustes promovidos nos preços de combustíveis.

O Ibovespa despencou 4,87% (maior queda desde 24 de abril, quando a Bolsa caiu 5,45%) no pregão seguinte e o temor de uma guinada populista no governo se materializou em uma exigência de prêmio de risco maior sobre as ações brasileiras. A mínima de fechamento da Bolsa no ano foi em 26 de fevereiro, data na qual o benchmark terminou o pregão em 110.035 pontos.

Mal o investidor havia se recuperado deste baque e a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Edson Fachin, de anular todas as condenações do ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva na Operação Lava Jato trouxe mais polarização e incerteza política para o cenário. Naquela segunda-feira, 8 de março, o principal índice acionário da B3 desabou 3,98% a 110.611 pontos.

Desde então, o Ibovespa registrou alguma recuperação, que foi limitada pelo rali nos rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA com vencimento em 10 anos. Esses ativos, considerados os mais seguros do mundo, dispararam a seus maiores níveis desde o início de 2020 (antes da pandemia), retirando atratividade da renda variável e aumentando o custo de capital de empresas com o fluxo de caixa mais longo (caso das big techs americanas).

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Economia

Produção agrícola em 2020 bate novo recorde e atinge R$ 470,5 bilhões

Publicado

em

Por

Voiced by Amazon Polly

O valor da produção agrícola do país em 2020 bateu novo recorde e atingiu R$ 470,5 bilhões, 30,4% a mais do que em 2019. A produção agrícola nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas chegou, no ano passado, a 255,4 milhões de toneladas, 5% maior que a de 2019, e a área plantada totalizou 83,4 milhões de hectares, 2,7% superior à de 2019.

Os dados constam da publicação Produção Agrícola Municipal (PAM) 2020, divulgada hoje (22) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Com a valorização do dólar frente ao real, houve também um crescimento na demanda externa desses produtos, o que causou impacto direto nos preços das principais commodities, que apresentaram significativo aumento ao longo do ano. Como resultado, os dez principais produtos agrícolas, em 2020, apresentaram expressivo crescimento no valor de produção, na comparação com o ano anterior”, explicou o IBGE.

A cultura agrícola que mais contribuiu para a safra 2020 foi a soja, principal produto da pauta de exportação nacional, com produção de 121,8 milhões de toneladas, gerando R$ 169,1 bilhões, 35% acima do valor de produção desta cultura em 2019.

Em segundo lugar no ranking de valor, veio o milho, cujo valor de produção chegou a R$ 73,949 bilhões, com alta de 55,4% ante 2019. Pela primeira vez desde 2008, o valor de produção do milho superou o da cana-de-açúcar (R$ 60,8 bilhões), que caiu para a terceira posição. A produção de milho cresceu 2,8%, atingindo novo recorde: 104 milhões de toneladas.

O café foi o quarto produto em valor de produção, atingindo R$ 27,3 bilhões, uma alta de 54,4% frente ao valor de 2019. Já a produção de café chegou a 3,7 milhões de toneladas, com alta de 22,9% em relação ao ano anterior, mantendo o Brasil como maior produtor mundial.

No ano passado, Mato Grosso foi o maior produtor de cereais, leguminosas e oleaginosas do país, seguido pelo Paraná, por Goiás e o Rio Grande do Sul.

Em relação ao valor da produção, Mato Grosso, destaque nacional na produção de soja, milho e algodão, continua na primeira posição no ranking, aumentando sua participação nacional para 16,8%, novamente à frente de São Paulo, destaque no cultivo da cana-de-açúcar. O Paraná, maior produtor nacional de trigo e segundo de soja e milho, ocupou, em 2020, a terceira posição em valor de produção, à frente de Minas Gerais, destaque na produção de café.

“O Rio Grande do Sul, que teve a produtividade de boa parte das culturas de verão afetadas pela estiagem prolongada no início de 2020, apresentou retração de 6,9% no valor de produção agrícola, caindo para a quinta posição no ranking, com participação nacional de 8,1%”, informou o IBGE,

Os 50 municípios com os maiores valores de produção agrícola do país concentram 22,7% (ou R$ 106,9 bilhões) do valor total da produção agrícola nacional. Desses 50 municípios, 20 eram de Mato Grosso, seis da Bahia e seis de Mato Grosso do Sul.

Sorriso (MT) manteve a liderança entre os municípios com maior valor de produção: R$ 5,3 bilhões, ou 1,1% do valor de produção agrícola do país. Em seguida, vieram São Desidério (BA), com R$ 4,6 bilhões, e Sapezal (MT) com R$ 4,3 bilhões.

Edição: Graça Adjuto

Continue lendo

Copyright © 2021 DiBahia CNPJ: 41.275.067/0001-16