Conecte-se conosco

Brasil

MP e PF abrem investigações criminais sobre compra da Covaxin

Publicado

em

Voiced by Amazon Polly

A Procuradoria da República no Distrito Federal (PRDF) abriu uma investigação criminal com o objetivo de apurar as negociações para aquisição da vacina Covaxin, produzida na Índia, usada contra a Covid-19. Até hoje, o órgão tinha apenas começado uma apuração preliminar sobre o caso.

A decisão foi tomada pelo 11º Ofício de Combate ao Crime e à Improbidade Administrativa da PRDF, e a informação foi confirmada pela assessoria do órgão.

A Polícia Federal também abriu nesta quarta um inquérito para apurar a compra da vacina. A investigação ficará sob responsabilidade do Serviço de Inquéritos (Sinq), da Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado da PF.

A medida ocorre após a procuradora Luciana Loureiro apontar “temeridade do risco assumido pelo Ministério da Saúde” na compra da vacina indiana Covaxin e propor a abertura de uma investigação criminal sobre o contrato do governo com a empresa Precisa Medicamentos. Ela viu elementos criminais a serem apurados e pediu a investigação criminal.

Na avaliação da procuradora da República no DF Luciana Loureiro, não há justificativa para as inconsistências na negociação “a não ser atender a interesses divorciados do interesse público”.

Segundo os elementos reunidos, há indícios de possíveis irregularidades no contrato para a entrega de 20 milhões de doses da Covaxin, no valor total de R$ 1,6 bilhão. A dose foi negociada a US$ 15, preço superior ao da negociação de outras vacinas no mercado internacional, a exemplo do imunizante da Pfizer.

O contrato de compra da Covaxin é alvo, também, da CPI da Covid no Senado.

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Brasil

Por não querer ser vacinado Bolsonaro será impedido de ir a Assembleia-Geral da ONU

Publicado

em

Por

Voiced by Amazon Polly

Os Estados-membros da Organização das Nações Unidas (ONU) devem deliberar nesta quinta-feira (16) se exigirão que todos os presentes à Assembleia-Geral do órgão, na próxima semana, apresentem comprovantes de vacinação contra a Covid-19 para serem admitidos ao prédio da ONU, em Nova York.

Caso decidam pela obrigatoriedade da imunização, isso poderia barrar a participação do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, que oficialmente não está vacinado. Tradicionalmente, o chefe de Estado brasileiro faz o primeiro discurso entre os líderes no evento, marcado para o próximo dia 21.

Bolsonaro na gravação de seu discurso à Assembleia Geral da ONU em setembro de 2020; fato de presidente não ter se vacinado contra Covid-19 pode impedir sua participação presencial no evento deste ano — Foto: Presidência da República

Há dois dias, em conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro voltou a repetir que não havia tomado imunizantes contra a doença, que já matou 580 mil brasileiros. Ele citou um suposto resultado do exame IGG, que mede a quantidade de anticorpos para uma dada doença no corpo, como justificativa para não ter se vacinado.

“Eu não tomei vacina, estou com 991 (nível do IGG). Eu acho que eu peguei de novo (o vírus) e nem fiquei sabendo”, afirmou Bolsonaro.

Inicialmente, a Assembleia-Geral da ONU cogitou aceitar que autoridades de alto nível apenas declarassem na entrada não estar com sintomas nem ter estado em contato próximo com pessoas infectadas para que fossem admitidas no evento.

Continue lendo

Copyright © 2021 DiBahia CNPJ: 41.275.067/0001-16