Conecte-se conosco

Brasil

Motociata de Bolsonaro em SP nem é mencionada pelo Guinness Book

Publicado

em

Voiced by Amazon Polly

É falsa a informação que circula nas redes sociais de que a motociata liderada pelo presidente Jair Bolsonaro, em São Paulo, neste sábado (12), foi a maior do mundo e entrou para o Guinness Book, livro de recordes, após reunir 1,3 milhão de veículos. A Informação é da Folha.

Não há qualquer menção ao evento no site e nos perfis oficiais da organização, e o governo paulista calcula que o ato contou com a presença de cerca de 12 mil motos.

De acordo com a assessoria da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, a estimativa de público de uma manifestação é feita com a ajuda de recursos de mapa e georreferenciamento, a partir de imagens registradas pelo helicóptero da Polícia Militar.

A Folha de São Paulo informa que o cálculo leva em consideração tanto o trajeto da manifestação quanto as ruas adjacentes.

Não há qualquer menção ao evento no site e nos perfis oficiais da organização, e o governo paulista calcula que o ato contou com a presença de cerca de 12 mil motos.

No caso de motocicletas, eles calculam quantas motos podem ocupar o trecho da via e, a partir do congestionamento formado, chegam ao número de participantes.

Já para que um novo recorde mundial seja estabelecido, o Guinness World Records define que uma proposta deve ser feita em seu site, acompanhada de materiais como declarações de testemunhas e registros em vídeos e fotos. O prazo padrão para análise dos pedidos é de 12 semanas, e cerca de 60% das propostas são rejeitadas, segundo a empresa.

A Folha ainda informa que não há registros sobre “a maior motociata do mundo” no site da organização, mas sim recordes mais específicos envolvendo motociclistas, como “A Maior Parada de Motocicletas da Yamaha”, “A Maior Parada de Motocicletas Militares”, entre outros.

A informação sobre o suposto recorde começou a circular nas redes através de postagens de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, entre eles a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP). Na manhã de sábado (12), durante a concentração para o ato, ela publicou um vídeo em seu canal no Youtube em que afirma que o ato seria “a maior motociata da história” e que o Guinness Book “estaria de olho” no evento.

A reportagem da Folha infomou que a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) também compartilhou um post no Twitter afirmando que uma “pesquisa confiável”, realizada pelo Guinnes Book, havia determinado a participação de 1.324.523 motocicletas durante o evento.

Por Folha de São Paulo

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Brasil

Por não querer ser vacinado Bolsonaro será impedido de ir a Assembleia-Geral da ONU

Publicado

em

Por

Voiced by Amazon Polly

Os Estados-membros da Organização das Nações Unidas (ONU) devem deliberar nesta quinta-feira (16) se exigirão que todos os presentes à Assembleia-Geral do órgão, na próxima semana, apresentem comprovantes de vacinação contra a Covid-19 para serem admitidos ao prédio da ONU, em Nova York.

Caso decidam pela obrigatoriedade da imunização, isso poderia barrar a participação do presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, que oficialmente não está vacinado. Tradicionalmente, o chefe de Estado brasileiro faz o primeiro discurso entre os líderes no evento, marcado para o próximo dia 21.

Bolsonaro na gravação de seu discurso à Assembleia Geral da ONU em setembro de 2020; fato de presidente não ter se vacinado contra Covid-19 pode impedir sua participação presencial no evento deste ano — Foto: Presidência da República

Há dois dias, em conversa com apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro voltou a repetir que não havia tomado imunizantes contra a doença, que já matou 580 mil brasileiros. Ele citou um suposto resultado do exame IGG, que mede a quantidade de anticorpos para uma dada doença no corpo, como justificativa para não ter se vacinado.

“Eu não tomei vacina, estou com 991 (nível do IGG). Eu acho que eu peguei de novo (o vírus) e nem fiquei sabendo”, afirmou Bolsonaro.

Inicialmente, a Assembleia-Geral da ONU cogitou aceitar que autoridades de alto nível apenas declarassem na entrada não estar com sintomas nem ter estado em contato próximo com pessoas infectadas para que fossem admitidas no evento.

Continue lendo

Copyright © 2021 DiBahia CNPJ: 41.275.067/0001-16