Conecte-se conosco

Brasil

Nova rodada do auxílio emergencial começará a ser paga em 6 de abril

Publicado

em

Os pagamentos do auxílio emergencial serão retomados em 6 de abril. Ao todo, serão quatro parcelas de R$ 250, com duas exceções: mulheres chefes de família receberão R$ 375 e famílias compostas por uma única pessoa, R$ 150.

“É um alento para o povo brasileiro. Esse auxílio emergencial viabilizado pela PEC emergencial com valor de R$ 44 bilhões servirá para quatro parcelas no ano de 2021, direcionado para o brasileiro vulnerável, pessoa que esteja passando dificuldades”, afirma João Roma, ministro da Cidadania. “São recursos públicos para os quais temos que ter maior zelo.”


Segundo o ministro, houve cruzamento de mais de 200 fontes de dados para identificar os beneficiários que estavam aptos em dezembro a receberem o auxílio. “Sem dúvidas, mais de 40 milhões de famílias poderão ter acesso ao benefício”, afirmou.

A lista com os nomes dos beneficiários que vão receber a nova rodada do auxílio deve ser anunciada na quinta-feira (1º).

Pedro Guimarães, presidente da Caixa, disse que a lógica de pagamento do auxílio emergencial seguirá o mesmo racional do calendário do ano passado, feito de forma a evitar aglomerações. “Faremos primeiro os depósitos nas contas digitais, todos já têm [as contas], então não há necessidade de abrir as contas, o que é importante para acelerar o pagamento”, explicou.

Depois de algumas semanas, será permitido o saque do dinheiro, assim como no programa do ano passado. “A nossa expectativa é que mais da metade das pessoas já realize o gasto com pagamento de conta digitalmente. Isso é um legado do governo Bolsonaro porque esta população está bancarizada e teve uma inserção digital”, acrescentou o executivo.

Fonte: CNN

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Brasil

Fusão de DEM e PSL criará a maior bancada do Câmara dos Deputados

Publicado

em

Por

Voiced by Amazon Polly

Encaminhada para os ajustes finais, a fusão dos partidos Democratas (DEM) e Partido Social Liberal (PSL) irá formar a maior bancada da Câmara dos Deputados, um movimento que precipita mudanças eleitorais e almeja o posto de “terceira via” nas eleições de 2022.

Enquanto o DEM já disse sim à união, o PSL deve dar o aval final na próxima terça-feira (28), quando o partido reúne-se para discutir os últimos detalhes do acordo.

A convenção conjunta com mais detalhes da fusão está prevista para o começo de outubro.

A soma é favorável: para os experientes políticos que compõem a coligação, o cálculo de 2+2 é igual a 5.

Isso porque o novo partido terá acesso a um fundo partidário de R$ 160 milhões pronto para almejar o campo da “terceira via” no próximo pleito eleitoral. Há conversas, inclusive, de uma possível candidatura presidencial do novo partido.

Os planos encontram ruídos nos estados no Nordeste, mas os partidos se antecipam às mudanças previstas na reforma eleitoral aprovada pelo Congresso Nacional, que devem diminuir significativamente o número de partidos no Brasil.

Cálculos obtidos pela CNN estimam que, em 5 anos, o país deixará de ter 33 partidos para um total de 12 siglas.

Por CNN Brasil

Continue lendo

Copyright © 2021 DiBahia CNPJ: 41.275.067/0001-16