Conecte-se conosco

Brasil

Março lidera números de mortes, diz Ministério da Saúde

Publicado

em

Segundo o mistério da Saúde, a cada cinco pessoas que morreram em decorrência da Covid-19 no Brasil, uma perdeu a vida em março de 2021. Das mortes ocorridas até então, 20,7% foram registrado no terceiro mês deste ano. Com o registro de 3.869 mortes registradas nas últimas 24horas, o Brasil teve o maior número de morte registradas em um dia, fechando então o mês de março como o pior da pandemia. De acordo com o MS, foram 66.573 novas mortes e 2.197.488 apenas neste mês.

É a primeira vez que o acumulado mensal no Brasil ultrapassa mais de 35 mil mortes e mais de 1,6 milhão de novos casos. Em 2021, foram registrados 5.072.774 novos casos e 126.566 novas mortes. Considerando os números desde o começo da pandemia, 39,7% dos casos de Covid-19 e 39,3% das mortes pela doença aconteceram no primeiro trimestre deste ano, de fevereiro para março, o aumento no número de casos foi de 63,1%, e no número de mortes, de 118,2%.

Quando se compara março de 2021 com o mês final de 2020, verifica-se um aumento de 63,9% das contaminações e de 204,9% das mortes. Em março de 2021 houve mais que o dobro de mortes registradas em fevereiro, e também mais do que os 50.997 óbitos por Covid-19 ocorridos entre outubro e dezembro de 2020. Até o dia 31 de março de 2021, o Brasil registrou 12.748.747 casos confirmados da Covid-19 e 321.515 mortes em decorrência da doença.

Em números absolutos, o país é o segundo no mundo tanto em infecções quanto em óbitos pelo coronavírus, atrás apenas dos Estados Unidos, que já registrou 30.458.572 de contaminações e 552.019 mortes respectivamente, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

Fonte: CNN

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Brasil

Fusão de DEM e PSL criará a maior bancada do Câmara dos Deputados

Publicado

em

Por

Voiced by Amazon Polly

Encaminhada para os ajustes finais, a fusão dos partidos Democratas (DEM) e Partido Social Liberal (PSL) irá formar a maior bancada da Câmara dos Deputados, um movimento que precipita mudanças eleitorais e almeja o posto de “terceira via” nas eleições de 2022.

Enquanto o DEM já disse sim à união, o PSL deve dar o aval final na próxima terça-feira (28), quando o partido reúne-se para discutir os últimos detalhes do acordo.

A convenção conjunta com mais detalhes da fusão está prevista para o começo de outubro.

A soma é favorável: para os experientes políticos que compõem a coligação, o cálculo de 2+2 é igual a 5.

Isso porque o novo partido terá acesso a um fundo partidário de R$ 160 milhões pronto para almejar o campo da “terceira via” no próximo pleito eleitoral. Há conversas, inclusive, de uma possível candidatura presidencial do novo partido.

Os planos encontram ruídos nos estados no Nordeste, mas os partidos se antecipam às mudanças previstas na reforma eleitoral aprovada pelo Congresso Nacional, que devem diminuir significativamente o número de partidos no Brasil.

Cálculos obtidos pela CNN estimam que, em 5 anos, o país deixará de ter 33 partidos para um total de 12 siglas.

Por CNN Brasil

Continue lendo

Copyright © 2021 DiBahia CNPJ: 41.275.067/0001-16