Conecte-se conosco

Bahia

Economia de gastos e modernização do fisco garantem investimentos da Bahia

Publicado

em

Voiced by Amazon Polly

A despeito das sucessivas crises econômicas brasileiras nos últimos anos, de ser o estado do Nordeste com a maior porção do território no semiárido e de ter uma das menores arrecadações per capita do país em função da expressiva população de baixa renda, a Bahia consolidou-se na segunda posição em investimentos públicos entre os estados brasileiros, totalizando R$ 15,4 bilhões desembolsados desde 2015. A explicação para esse desempenho, de acordo com o secretário da Fazenda do Estado, Manoel Vitório, está no modelo de gestão que concilia qualidade do gasto público e modernização do fisco.

De um lado, o Estado soma economia real de R$ 7,8 bilhões nas despesas com a manutenção da máquina administrativa desde 2015, e do outro a arrecadação do ICMS baiano vem crescendo acima da média nacional nos últimos anos: a participação da Bahia no cômputo nacional de arrecadação do imposto acaba de chegar a 5%, tendo partido de 4,22% em 2012.

Segundo Manoel Vitório, os avanços na arrecadação resultam da modernização tecnológica do fisco, do combate à sonegação e do esforço dos servidores fazendários. Já a qualificação do gasto público, esclarece, é um trabalho permanente, deflagrado na primeira gestão do governador Rui Costa, envolvendo o controle de despesas em atividades-meio a partir de uma coordenação especializada com sede na Sefaz-Ba. “Esta economia libera recursos para manter o Estado funcionando e seguir ampliando os investimentos”, afirma.

Cautela

“São movimentos complementares que resultam em preservação do equilíbrio fiscal mesmo num período de sucessivas crises e nos permitem não apenas manter o ritmo dos gastos qualificados, de forma a preservar a capacidade do Estado de contribuir para a recuperação da economia, como também assegurar que o setor público siga funcionando plenamente”, observa o secretário.

Ele ressalta, no entanto, que o cenário econômico brasileiro ainda é instável ante os problemas na gestão da pandemia por parte do governo federal. “É preciso manter a cautela e o controle sobre as despesas, porque o ritmo de vacinação segue muito lento e sujeito a interrupções, ainda se fala em risco de piora nos índices da pandemia e este quadro pode afetar o desempenho econômico do país no segundo semestre”.

Capacidade de pagamento

Lembrando as dificuldades registradas nos últimos anos em vários estados brasileiros que têm atrasado salários e apresentado dificuldades em cumprir seus compromissos, Vitório lembra que a Bahia mantém-se em dia com o funcionalismo e com os fornecedores. “Esta capacidade de honrar os compromissos é fundamental tendo em vista o grande peso do orçamento público em nossa realidade econômica e social”, ressalta.

A Bahia, além disso, acaba de obter a nota B na Capag (Capacidade de Pagamento), indicador produzido pela STN – Secretaria do Tesouro Nacional para avaliar saúde fiscal dos estados e municípios. A classificação atesta a boa gestão das contas pelo governo baiano e o torna apto a contar com o aval da União na contratação de operações de crédito destinadas a novos investimentos. A Bahia saiu-se bem nas três categorias avaliadas pela STN: Liquidez, Endividamento e Poupança Corrente.

Baixo endividamento

O governo baiano encerrou o primeiro quadrimestre de 2021 com a dívida consolidada líquida equivalendo a 50% da receita corrente líquida, um dos melhores perfis do país, muito abaixo do limite máximo estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que é de 200%. “Significa que a Bahia poderia hipoteticamente pagar sua dívida com metade da receita, enquanto a lei considera aceitável que os estados se endividem até o limite de duas vezes a receita”, lembrou o secretário.

A situação é bem mais confortável que a dos maiores estados do país: o Rio de Janeiro tem uma dívida que equivale a 281% da receita, no Rio Grande do Sul a relação é de 206%, em Minas Gerais, de 176% e em São Paulo, de 149%.

Fonte: Ascom/Sefaz-BA

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Bahia

Prorrogada fase de avaliação das inscrições do Bolsa Esporte até 28 de setembro

Publicado

em

Por

Voiced by Amazon Polly

Foi publicado no Diário Oficial do Estado (DOE), da última terça-feira (21), portaria nº 96/2021 que prorroga a fase de avaliação das inscrições e análises dos documentos dos atletas, do Edital do Bolsa Esporte nº 01/2021, até o próximo dia 28 de setembro. O Edital e seus anexos podem ser consultadas no site da Sudesb.

Com um investimento de R$ 1,2 milhão, o edital oferece benefícios mensais de R$ 380 a R$ 2 mil para atletas baianos radicados no estado, desde a iniciação até o alto rendimento. O apoio é concedido pelo prazo de 1 ano e renovável por igual período. Serão atendidas 37 modalidades olímpicas e 21 paralímpicas, além de mais 25 classificadas como modalidades reconhecidas e vinculadas.

Criado em 2011, o Bolsa Esporte já investiu cerca de R$ 4,8 milhões nos seis editais.

Fonte: Ascom/Sudesb

Continue lendo

Copyright © 2021 DiBahia CNPJ: 41.275.067/0001-16