Conecte-se conosco

Bahia

MPT e MP-BA pedem fiscalização de condições de trabalho na saúde e leitos

Publicado

em

Voiced by Amazon Polly

Ação civil pública movida conjuntamente pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA) pede a imediata adoção de medidas para ampliação da oferta de leitos e para a fiscalização efetiva pelo estado das condições de trabalho dos profissionais de saúde.

Atrasos de salários e condições de segurança ruins são apontados como o maior empecilho para a formação de equipes de saúde de forma rápida. Os autores da ação pedem a ampliação da oferta de leitos ao patamares máximos previstos pelo Estado e apontam que para isso é preciso que sejam garantidas condições de trabalho dignas aos profissionais da área.

Hospital Luiz Eduardo Magalhaes em Porto Seguro – denúncias de atraso de salário são constantes

O processo corre na 8ª Vara da Fazenda Pública, que poderá apreciar o pedido de liminar para que sejam antecipadas as soluções para o problema. A ação, que tem como réu o Estado da Bahia, foi ajuizada na última terça-feira (02/03), pouco antes do anúncio da licitação para abertura do Hospital Metropolitano, com 100 leitos clínicos e 100 de UTI. O Hospital de Campanha da Fonte Nova deve voltar a receber pacientes nesta quinta, inicialmente com 80 leitos (50 de UTI e 30 clínicos). Parte dos pedidos de ampliação de leito está, portanto, sendo providenciada. Mas a novidade é o pedido para que o estado mantenha fiscalização efetiva sobre as condições de trabalho oferecidas pelas organizações sociais contratadas para a gestão das unidades de saúde.

Para uma das autoras da ação, a procuradora do MPT Séfora Char, “desde o início da pandemia, há uma forte movimentação do MPT e dos sindicatos e conselhos profissionais para pressionar o estado e os municípios a garantir que as OSs paguem salários em dia e respeitem a legislação trabalhista em sua totalidade. Só assim haverá a oferta de profissionais de saúde em momentos como este em que se tem a necessidade de contratação de mão de obra especializada de forma emergencial”. Ela assina a ação junto com os promotores de justiça do MP-BA Rita Tourinho e Rogério Queiroz.

Hospital Regional de Eunápolis – mesmo com muitas reformas ainda é fruto de denuncias, tanto por parte de usuários como de profissionais. Imagens internet

Séfora Char ressalta ainda que “além de estarem sobrecarregados e muito mais expostos ao risco de contágio, muitos profissionais de saúde acabam submetidos a contratos de trabalho que não são fiscalizados pelo poder público e por isso precisam conviver com atrasos ou não pagamento de salários e benefícios, oferta insuficiente de equipamentos de proteção individual e coletiva, além de ambientes inadequados”, pontou a procuradora. Além da ação, o MPT defende a criação de um conselho estadual de saúde que sirva efetivamente para o diálogo constante entre os profissionais e o poder público, já que esta relação é mediada por contratos de terceirização da gestão das unidades.

A ação pede a oferta de 3.433 leitos para pacientes com a Covid-19, dos quais 1.956 de enfermaria adulto e 1.437 de UTI adulto, distribuídos pelas nove macrorregiões da Bahia, no prazo máximo de 60 dias. A procuradora e os promotores de justiça defendem que a quantidade de leitos implantados até o momento não equivale ao patamar mais crítico da pandemia até então (2.756 leitos) ou ao maior número de leitos já ofertados na Bahia (2.908). O número de leitos disponíveis também está abaixo do que foi planejado pela Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) para a pior fase da pandemia no ano passado (3.433) e do número calculado pela pasta como ideal (4.125).

O estado, no entanto, já se antecipou a alguns pedidos da ação, com o anúncio da oferta de mais 400 leitos (200 no Hospital de Campanha da Arena Fonte Nova e 200 no Hospital Metropolitano, em Lauro de Freitas). Além de pedir a quantidade mínima de 3.433 leitos, MPT e MP-BA pedem que a Justiça determine o funcionamento de pelo menos 30% dos leitos nas macrorregiões com ocupação superior a 80%. Atualmente, há 2.255 leitos instalados na Bahia, dos quais 1.033 leitos de enfermaria adulto e 1.135 leitos de UTI adulto.

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Bahia

Prorrogada fase de avaliação das inscrições do Bolsa Esporte até 28 de setembro

Publicado

em

Por

Voiced by Amazon Polly

Foi publicado no Diário Oficial do Estado (DOE), da última terça-feira (21), portaria nº 96/2021 que prorroga a fase de avaliação das inscrições e análises dos documentos dos atletas, do Edital do Bolsa Esporte nº 01/2021, até o próximo dia 28 de setembro. O Edital e seus anexos podem ser consultadas no site da Sudesb.

Com um investimento de R$ 1,2 milhão, o edital oferece benefícios mensais de R$ 380 a R$ 2 mil para atletas baianos radicados no estado, desde a iniciação até o alto rendimento. O apoio é concedido pelo prazo de 1 ano e renovável por igual período. Serão atendidas 37 modalidades olímpicas e 21 paralímpicas, além de mais 25 classificadas como modalidades reconhecidas e vinculadas.

Criado em 2011, o Bolsa Esporte já investiu cerca de R$ 4,8 milhões nos seis editais.

Fonte: Ascom/Sudesb

Continue lendo

Copyright © 2021 DiBahia CNPJ: 41.275.067/0001-16