Conecte-se conosco

Economia

Dólar abre semana em queda e fecha o dia vendido a R$ 4,92

Publicado

em

Voiced by Amazon Polly

Num dia de oscilações no mercado financeiro, o dólar teve pequena queda e a bolsa encerrou com pequena alta. Apesar de os investidores analisarem o impacto da proposta de reforma tributária, apresentada na sexta-feira (25), o dia favorável no mercado internacional contribuiu para consolidar os ganhos da bolsa e o recuo da moeda norte-americana.

O dólar comercial encerrou esta segunda-feira (28) vendido a R$ 4,928, com queda de 0,19%. A cotação iniciou o dia em alta, chegando a R$ 4,97 pouco após a abertura das negociações, mas recuou durante a tarde até encerrar próxima da mínima do dia.

A divisa acumula queda de 5,68% em junho. No ano, o recuo é um pouco menor: 5,03%.

No mercado de ações, o dia foi de ganhos, após um início tenso. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 127.419, com alta de 0,17%. O indicador começou a sessão em alta, passou a cair ainda durante a manhã e operou com valorização perto do fim das negociações.

Na sexta-feira, o Ibovespa caiu 1,74% e o dólar subiu 0,67% após o anúncio da segunda fase da reforma tributária. Na avaliação dos investidores a tributação de dividendos e a mudança na alíquota de diversas aplicações, privilegiando os investimentos de curto prazo, podem reduzir o investimento no mercado financeiro.

Em contrapartida, o recorde em dois índices do mercado norte-americano, o Nasdaq (das empresas de tecnologia) e o S&P 500 (das empresas industriais), e a queda nos rendimentos dos títulos públicos nos Estados Unidos impulsionaram o mercado financeiro. A queda nas taxas dos títulos do Tesouro norte-americano favorece países emergentes, como o Brasil.

*Com informações da Reuters.

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Economia

Para 87% dos brasileiros, compras e contas têm ficado mais caras

Publicado

em

Por

Voiced by Amazon Polly

Pesquisa PoderData mostra que 87% dos brasileiros têm a impressão de que compras do mercado e contas ficaram mais caras nas últimas semanas.

Realizado de 19 a 21 de junho de 2021, o levantamento mostra que o número sofreu um lento declínio ao longo de 10 meses. Em setembro de 2020, era de 95%.

O país enfrenta um quadro de alta inflação ao longo de todo o período desde que a pesquisa começou a ser realizada. O IPCA-15, indicador do IBGE considerado como uma prévia da inflação oficial, atingiu em julho um patamar inédito para o mês desde 2004. O Boletim Focus, relatório elaborado pelo Banco Central com base nas previsões do mercado, tem subido a projeção semanalmente.

Esta pesquisa foi realizada no período de 19 a 21 de julho de 2021 pelo PoderData, a divisão de estudos estatísticos do Poder360. A divulgação do levantamento é feita em parceria editorial com o Grupo Bandeirantes.

Foram 2.500 entrevistas em 427 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os entrevistados que representem de forma fiel o conjunto da população.

com Band TV

Continue lendo

Copyright © 2021 DiBahia CNPJ: 41.275.067/0001-16