Conecte-se conosco

Economia

Demanda mundial por areia gera crises ambientais e corrupção

Publicado

em

Voiced by Amazon Polly

MATÉRIA ESPECIAL – Areia é um elemento indispensável na vida moderna, compondo o concreto das casas, o asfalto das estradas, o vidro das janelas e os chips de silício dos telefones celulares. Contudo, além de ser a origem de um ramo comercial destrutivo e por vezes ilegal, ela está cada vez mais escassa, e ninguém sabe dizer quando acabará de vez.

Apesar de ser o material mais empregado do mundo, a areia também é um dos menos monitorados: ao contrário de outros produtos, as instâncias reguladoras só têm uma vaga noção de quanto dela se utiliza por ano. Um relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) de 2019 teve que se basear nos dados sobre o cimento, que é misturado com areia e cascalho para fazer concreto, para chegar a uma estimativa de 50 bilhões de toneladas.

Pesquisadores ressalvam que isso é mais areia do que se pode usar responsavelmente a cada ano – embora ela também possa ser fabricada através da trituração de rochas. Em algumas regiões, a carência já motivou matanças direcionadas e a destruição de habitats.

“A natureza da crise é que não entendemos suficientemente esse material”, observa a coautora do relatório Louise Gallagher, do Observatório Global da Areia, em Genebra. “Não entendemos bem os impactos nos locais de onde o retiramos. Às vezes, nem sabemos de onde vem, como é extraído dos rios. Simplesmente não sabemos.”

Danos para humanos e meio ambiente

O que está claro para os especialistas, contudo, é que extrair areia em quantidades sem precedentes envolve alto custo para os seres humanos e o planeta: a mineração destrói habitats, polui rios e erode praias, muitas das quais já vêm perdendo terreno por causa da elevação do nível do mar.

Quando os mineradores escavam camadas de areia, as margens dos rios se tornam menos estáveis. Poluição e acidez matam os peixes e reduzem a quantidade de água disponível para a população e as plantações. E o problema piora quando represas rio acima impedem os sedimentos de voltarem a encher o leito dos rios.

“Há tantos aspectos que não são levados em consideração”, comenta a pesquisadora independente Kiran Pereira, autora de um livro propondo soluções para a crise dessa matéria-prima. “Isso definitivamente não é refletido no custo da areia.”

O pior é que grande parte do impacto sequer é imediatamente visível, o que dificulta saber sua extensão, ressalva Stephen Edwards, que pesquisa sobre setores extrativistas na União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês). “Certamente está chegando a um nível em que precisamos prestar mais atenção ao assunto.”

Um artigo publicado pela revista Nature em 2019 relatava que a mineração de areia contribuíra para levar há beira da extinção os gaviais do rio Ganges, só restando 250 adultos dessa espécie de crocodilo em estado natural. Além disso, a atividade desestabilizou as margens do Mekong, no Sudeste Asiático, cujo eventual desmoronamento pode deixar desabrigados 500 mil indivíduos.

Um dos motivos por que os danos da mineração têm sido ignorados é que, embora componha todo tipo de objetos do dia a dia, a areia fica “oculta em plena vista”, aponta o coautor do estudo Chris Hackney, geógrafo da Universidade de Newcastle, Inglaterra. “Pergunte às pessoas qual é a matéria-prima mais importante do planeta, e a areia dificilmente será mencionada.”

Areia para construção das Palm Islands de Dubai teve que ser retirada do fundo do Golfo Pérsico

Por que não explorar os desertos?

Falar de escassez de areia parece um contrassenso. Embora um terço da superfície da Terra seja classificada como deserto, em grande parte arenoso, países do Oriente Médio, como a Arábia Saudita, importam o produto de lugares como Canadá ou Austrália. O arranha-céu Burj Khalifa, de 830 metros de altura, foi construído nos Emirados Árabes Unidos usando areia do outro lado do mundo.

Isso se deve ao pouco valor que a areia do deserto tem para o setor de construções: quando o vento sopra nas dunas, ele torna esféricas as partículas de areia, que assim oferecem menos fricção necessária a um concreto forte, do que os arestosos grãos nos leitos fluviais, praias e no fundo do mar.

“Quando cresci em Bangalore, eu lia constantemente relatos sobre rios sendo dizimados pela mineração de areia”, conta Pereira. Entre suas primeiras lembranças está levantar-se às 2 horas da madrugada para pegar água numa torneira pública muito disputada. “Ao mesmo tempo, lembro de ver centenas e centenas de caminhões cheios de areia subindo e descendo a estrada para suprir todos os canteiros de obras.”

A maior demanda é da China, que entre 2011 e 2014 produziu mais cimento do que os Estados Unidos em todo o século 20. Calcula-se que, até 2027, a segunda maior produtora do mundo, a Índia, superará a China como país mais populoso.

Com o mundo a caminho dos 10 bilhões de habitantes até meados do século e com a migração em massa para as cidades na Ásia e África, estima-se que a demanda de areia continue crescendo.

Não se trata apenas de concreto: em 2011, foram dragados 20 milhões de metros cúbicos de areia do solo marinho do litoral da Holanda para formar uma barreira de proteção contra a erosão e a mudança climática. Nos últimos 50 anos, Cingapura construiu ilhas artificiais, aumentando em um quarto sua área, com areia importada do Cambodja, Vietnã, Indonésia e Malásia. Nos Emirados Árabes Unidos, as Palm Islands artificiais de Dubai, visíveis do espaço, foram feitas com areia retirada do fundo do Golfo Pérsico.

Fonte de criminalidade

E há também o custo humano: com os preços da areia em ascensão, a polícia de países desde a África do Sul até o México têm registrado numerosas mortes pelas mãos dos mineradores. Mas em nenhum lugar a violência é tão grande como na Índia, onde se localizam as mais mortais “máfias da areia”.

Quadrilhas criminosas têm queimado jornalistas vivos, desmembrado ativistas e atropelado policiais com caminhões. Um relatório de 2020 do grupo ambientalista Asia Network on Dams, Rivers and People, sediado em Nova Délhi, contou 193 vítimas da mineração ilegal de areia na Índia em dois anos.

As principais causas foram más condições de trabalho, violência e acidentes. Não só os mineradores têm que mergulhar até o fundo dos rios centenas de vezes ao dia, sem vestes protetoras, como há registros de trabalho infantil da Índia a Uganda, e raras vezes o setor foi responsabilizado.

No fim de fevereiro, um tribunal especial de Nova Délhi condenou à prisão por suborno o chefe da gigante indiana da areia de praia V.V. Minerals e o ex-diretor do Ministério do Meio Ambiente.

O magnata da areia, que há décadas vinha escapando de acusações de mineração ilegal, foi apanhado pagando as taxas de universidade do filho do funcionário, em troca de uma licença ambiental ilícita. Um veículo de imprensa local comparou o caso ao do notório mafioso americano Al Capone, finalmente condenado por infrações tributárias.

Rio Mekong, Vietnã: desmoronamento de margens pode deixar meio milhão de desabrigados

Soluções políticas e tecnológicas

Para resolver a crise da areia, os líderes mundiais precisam regulamentar melhor o setor e aplicar leis anticorrupção, assim como monitorar a produção global da matéria-prima. Seria ainda necessário reduzir a demanda, encontrando alternativas para o concreto e construindo de forma mais eficaz com materiais como madeira.

Os entulhos de prédios demolidos poderiam ser reutilizados como agregado para estradas, por exemplo. Pesquisadores investigam, ainda, maneiras de viabilizar a abundante areia desértica para a construção, aquecendo-a e triturando os grãos. O atual desafio é diminuir os custos do processamento.

“Nossa capacidade de construir não depende de nossa necessidade de areia”, afirma a pesquisadora Kiran Pereira. “Podemos desassociar as duas coisas, e mesmo assim construir e permitir prosperidade humana, sem destruir nosso ecossistema.”

Por DW

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Economia

O Que Realmente É Liberalismo e Neoliberalismo

Publicado

em

Vivemos em uma era de deturpação de termos. Não só a palavra fascista, como também a palavra liberal têm sido utilizadas de maneira arbitrária e fundamentalmente incorreta. Nos Estados Unidos, a palavra “Liberal” tornou-se sinônimo de progressista, enquanto no Brasil, geralmente é tratada como uma filosofia da defesa dos grandes empresários e darwinista social. Enquanto isso, neoliberalismo tornou-se um termo vazio, espantalho do verdadeiro Neoliberalismo e o bicho papão de socialistas, comunistas e progressistas.

Antes de tudo, desejo deixar claro que não pretendo aqui fazer uma descrição filosófica profunda acerca dessa filosofia, pois isso demandaria mais que um pequeno texto. Por isso, farei indicações de livros ao longo da coluna para os que querem entender melhor essas filosofias.

A começar pelo liberalismo, palavra essa que tem sido atacada, demonizada e “espantalhada”, o liberalismo consiste em uma filosofia política surgida no século XVII, teorizada inicialmente por John Locke, também considerado o pai do empirismo. John Locke foi um iluminista e contratualista, acreditando no contrato social, e que a legitimidade dos governantes deriva do consentimento dos governados. Uma curiosidade que poucos sabem de John Locke, é que ele foi médico, e foi ao operar e tornar-se parte da comitiva de Lord Ashley que ele entrou em contato com a filosofia política, tornando-se um opositor ferrenho de Charles II e James II. John Locke foi também um teórico do Jusnaturalismo, tendo abordado os direitos naturais principalmente em suas obras Segundo Tratado do Governo Civil e Ensaios Sobre As Leis Da Natureza.

Em suas obras, John Locke defende que as leis devem derivar da razão e da lógica, e não da Igreja e que devemos pautar os limites do governo com base nos direitos naturais, estes derivando das mais fundamentais características humanas, não podendo ser infringidos. Para Locke, o ser humano tende à autopreservação, e por isso, não deve ser impedido de viver como quiser, desde que não fira os direitos naturais de outros indivíduos. Uma ideia essencial para a compreensão do Liberalismo (e também do Libertarianismo) é a ideia de apropriação original (homesteading) desenvolvida por Locke. Para Locke, o trabalho de um homem é indissociável dele, por isso, quando um indivíduo mistura seu trabalho a um objeto ainda não apropriado, este torna-se propriedade sua, devendo ser utilizado conforme o dono bem entender, desde que não fira a propriedade privada de ninguém. John Locke foi também um dos primeiros filósofos a tratar da autopropriedade e da propriedade privada como resultado desta. Por isso, governos para Locke só poderiam ser formados através do livre acordo entre indivíduos. Conceito esse altamente influente para o futuro do Liberalismo e também para o Libertarianismo.

O reconhecimento dos direitos individuais naturais inerentes a todos os homens foi levado adiante por vários outros pensadores liberais, mas um outro pensador levou a reflexão acerca desses direitos a outro campo, mostrando que o reconhecimento destes direitos não era apenas justo, mas também que traria prosperidade para as nações que os reconhecessem. Adam Smith na sua obra A Riqueza Das Nações criou o famoso conceito da Mão Invisível do Mercado. Para compreendermos esta metáfora, devemos antes nos debruçar sobre o funcionamento do mercado segundo Adam Smith. Para este autor, o mercado consiste em pessoas que possuem habilidades e bens diferentes e trocam entre si, a fim de maximizar suas satisfações. No mercado há a oferta e a demanda, que tendem ao equilíbrio. Quando a oferta de um item é demasiada, e a demanda é baixa, este item terá um preço baixo, influenciando comerciantes a mudarem de rumo, e no caso contrário, onde a demanda é alta e o produto é escasso, há incentivo para a entrada de mais ofertantes deste produto, diminuindo os preços. Um ponto importante em Adam Smith é que as trocas em um sistema de mercado são mutualmente benéficas, por serem voluntárias. Isso acontece porque, para que um indivíduo troque um bem ou dinheiro por outro bem, ele deve preferir ter aquele bem em questão que o dinheiro ou bem que está em sua possessão. Por isso, Adam Smith defende a não-regulamentação, a abertura comercial e o comércio internacional, pois estas práticas trariam prosperidade a ambas as nações, fundando assim o liberalismo econômico.

Já no século XIX, surge uma nova corrente do Liberalismo que viria a ser tornar a vertente dominante: o Utilitarismo. Desenvolvida Por John Stuart Mill, James Mill e Jeremy Bentham, a teoria ética do utilitarismo define a maximização da felicidade como fim último ideal de todas as ações humanas, ou seja: um indivíduo deve decidir como irá agir com base na felicidade que seu ato irá gerar. O problema maior dessa ética é que é impossível prever a ação humana e reações às nossas ações. Às vezes nossas ações causam efeitos inesperados, e efeitos ruins, por isso, a partir do utilitarismo, só é possível saber se um ação é correta ou não depois de observar suas consequências, ou seja, depois de agir. Outro problema do utilitarismo, é que crueldades passam a ser justificáveis caso isso vá trazer um aumento à felicidade geral, como por exemplo, o holocausto, que embora fosse apoiado por grande parte da população local, inquestionavelmente feriu direitos naturais de milhões de indivíduos.

Na França, também no século XIX, surge um dos maiores teóricos do jusnaturalismo, e também uma grande influência pro Libertarianismo: O Iluminista Frederic Bastiat. Bastiat trouxe novamente a questão dos direitos naturais ao debate público. Em seu livro A Lei, ele afirma que a vida, a liberdade e a propriedade de um indivíduo são direitos naturais pré-existentes ao Estado, que deve se limitar a protegê-los, e que enquanto um indivíduo não ferir estes mesmos direitos de outrem, ninguém possui a prerrogativa de agir contra esses direitos. Para Bastiat, A Lei consiste na organização coletiva do direito individual da legítima defesa. Como toda lei justa deve ser universalizável, ele afirma que o coletivo não pode se sobrepor ao indivíduo, uma vez que um coletivo é nada mais que um conjunto de indivíduos.

No Brasil, aparece também uma tradição liberal no século XIX. Com nomes como Luiz Gama(este filiado ao partido liberal radical), Joaquim Nabuco e Maria Firmina dos Reis, o Liberalismo brasileiro adotou o abolicionismo como principal pauta, já que no entendimento dos liberais, os escravos também detinham o direito à autopropriedade.

Podemos resumir o liberalismo enquanto doutrina política e jurídica como a defesa que leis devem derivar da razão e que a vida, a liberdade e a propriedade privada são direitos fundamentais e enquanto filosofia econômica, que a liberdade é a chave para a prosperidade.

E agora falaremos do Neoliberalismo. Apesar de ter se tornado um bicho papão e o culpado de tudo de ruim que acontece no mundo segundo os marxistas, a teoria neoliberal pouco tem a ver com o que acusam-na de ser. Vemos muitas pessoas acusando outras de serem neoliberais e pouquíssimas descrevendo-se como um neoliberal. No entanto, existe uma filosofia econômica dominada pelos seus desenvolvedores de Neoliberalismo. Esta filosofia foi desenvolvida por pensadores alemães no século XX e buscava uma terceira via entre o capitalismo e o socialismo, onde haveria mercado, no entanto este seria fortemente regulado por agências estatais, sendo seus principais expoentes Alexander Rüstow e Wilhelm Röpke, com livros como Freedom And Domination e A Humane Economy. No entanto, essa teoria nem de longe foi amplamente difundida e muito menos aplicada. Embora o termo tenha se tornado um xingamento nos últimos tempos, faz pouco sentido o seu uso contra liberais e libertários, uma vez que estes últimos defendem a não intervenção do governo na economia, e os neoliberais defendem esta intervenção contra eventuais falhas de mercado.

Continue lendo

Copyright © 2021 DiBahia CNPJ: 41.275.067/0001-16