Conecte-se conosco

Mundo

Depois de ciberataque maior oleoduto dos EUA volta a operar

Publicado

em

Voiced by Amazon Polly

A empresa Colonial Oleoduto começou a retomar nesta quarta-feira (12/05) as operações da maior rede de oleodutos na costa leste do país. O sistema ficou paralisado por cinco dias após um ataque cibernético, no pior atentando do tipo contra a infraestrutura dos Estados Unidos.

A retomada das atividades na rede que possui 8.850 quilômetros está sendo feita de maneira gradual e a Colonial afirmou que ainda levará vários dias para que o abastecimento volte ao normal. A empresa transporta até 2,5 milhões de barris de gasolina, gasóleo e combustível de aviação por dia das refinarias no Golfo do México para as grandes cidades no sul e leste dos Estados Unidos, abastecendo cerca de 50 milhões de consumidores.

Em nota, a empresa informou que reiniciou as operações por volta às 17h (horário local) e se comprometeu a trabalhar ao máximo até que o abastecimento volte ao normal.

A paralisação levou a uma corrida a postos de gasolina, gerando filas em diversas cidades. A gasolina começou a falta em vários postos em diversas regiões. O porta-voz da Casa Branca chegou a pedir que os consumidores evitem estocar combustíveis e comprem apenas o necessário.

O Departamento americano de Transportes e a Agência de Proteção Ambiental dos EUA flexibilizaram temporariamente regulamentos sobre transportes de combustíveis para tentar aliviar a crise de abastecimento nos estados afetados.

Pagamento de resgate

O ataque cibernético ao sistema da Colonial ocorreu na sexta-feira passada. A empresa afirmou ainda que o ataque envolveu um ransomware, um malware que bloqueia os sistemas de computação e para libertá-los é exigido o pagamento de regaste.

Segundo uma reportagem do jornal americano The Washington Post, a Colonial não pretendia pagar o regaste e estaria trabalhando com especialistas em segurança cibernética para restaurar o sistema.

O FBI afirmou que a quadrilha cibernética conhecida como DarkSide estaria por trás dos ataques ao oleoduto. O grupo teria profissionalizado uma indústria criminosa de ataques com ransomware que custaram bilhões de dólares aos países ocidentais nos últimos três anos.

O DarkSide afirma que, em seus ataques, visa apenas grandes empresas e doa parte dos resgastes obtidos para caridade. Segundo especialistas, o grupo seria formado por cibercriminosos veteranos, voltados a extrair o máximo de dinheiro das vítimas.

cn (Lusa, Reuters, AFP)

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Mundo

Policial é morto e 80 alunos são sequestrados em ataque na Nigéria

Publicado

em

Por

Voiced by Amazon Polly

Homens armados mataram um policial e sequestraram pelo menos 80 alunos e cinco professores em uma escola do estado nigeriano de Kebbi, informaram a polícia, moradores e um professor.

É o terceiro sequestro em massa em três meses no noroeste da Nigéria, e as autoridades culpam bandidos armados que buscam resgates.

Usman Aliyu, que leciona na escola, disse que os atiradores levaram mais de 80 alunos, a maioria meninas.

“Eles mataram um [dos policiais], entraram pelo portão e foram direto às salas de aula”, afirmou ele à Reuters.

O porta-voz da polícia de Kebbi, Nafiu Abubakar, disse que os bandidos mataram um policial durante uma troca de tiros e que também balearam um aluno, que estava recebendo tratamento médico.

A polícia ainda não havia comunicado o número de alunos desaparecidos na noite de quinta-feira (17), e um porta-voz do governador de Kebbi afirmou que a força está realizando uma contagem dos desaparecidos.

Sequestros que elevam tristeza ao povo nigeriano não é novidade. Desta vez levaram mais de 80 alunos, a maioria meninas.

O ataque ocorreu em um colégio do governo federal da cidade remota de Birnin Yauri. Segundo Abubakar, forças de segurança estão vasculhando uma floresta próxima à procura dos alunos e professores raptados.

Atiku Aboki, um morador que foi à escola pouco depois de os disparos terminarem, informou que viu uma cena de pânico e confusão enquanto pessoas procuravam os filhos.

Bandidos em busca de resgate já sequestraram mais de 800 alunos nigerianos em escolas desde dezembro. Alguns foram libertados e outros continuam desaparecidos.

* Ardo Hazzad, Garba Muhammed, Camillus Eboh e Angela Ukomadu – Repórteres da Reuters

Com Agência Brasil

Continue lendo

Copyright © 2021 DiBahia CNPJ: 41.275.067/0001-16