Conecte-se conosco

Sociedade

Anonimato: a arma dos covardes

Publicado

em

Voiced by Amazon Polly

Umberto Eco, filósofo e escritor italiano, em uma cerimônia de premiação, que ele ganhara, disse em seu discurso:

“A internet e as redes sociais deram voz a uma legião de imbecis (…) Antes eles, os imbecis, falavam apenas em bares, depois de algumas taças de vinho, mas, seu discurso não prejudicava a coletividade. A internet promoveu o idiota da aldeia a portador da verdade”

Se você disponibilizar 45 minutos do seu tempo navegando de forma aleatória em qualquer rede social encontrará uma infinda quantidade de idiotias. Hoje todos querem falar e poucos querem ouvir, qualquer retardado com uma câmera na mão se autoproclama influenciador e formador de opiniões, mesmo que seu conteúdo seja uma imitação ridícula de foca dentro de uma banheira de chocolate. Eu vou um pouco mais a fundo, além das redes sociais terem dado voz aos idiotas elas também chancelaram a covardia e a impunidade através da possibilidade de total anonimato.

Vamos falar de pseudônimos? Não! Pseudônimos, em certos contextos se fazem necessários. Para quem não sabe, um pseudônimo é o uso de uma personagem para expressar opiniões ou assinar obras literárias. Essa prática é comum em mídias tradicionais, normalmente quando há a possibilidade de perseguição política da pessoa que se expressa. Falaremos hoje sobre anonimato covarde mesmo! Assassinato de reputações.

Eu falei, algumas semanas atrás, no meu artigo “Corrente do Bem”, que eu detesto gente que se vende como boazinha, pois, como diria Freud: “quanto mais perfeito parece ser por fora, mais cheio de demônios por dentro”, diante deste cenário, a internet virou uma imensa vitrine de beneficências: todo mundo querendo mostrar o quanto é bom levantando hashtag para salvar a Amazônia, reduzir a violência doméstica, conscientizar do racismo, etc.. É nessa tendência social que quero mergulhar hoje. Nessa sanha de querer mudar o mundo, as pessoas cometem atos tenebrosos movidos pela modinha e pela carência de se fazerem ouvidos. Quase um déficit de atenção coletivo.

Há poucos dias, algumas ex-alunas me enviaram um perfil no Instagram dedicado a denúncias de assédios de servidores contra alunos da instituição onde elas estudam…

“Aiiin, Dianson, mas a iniciativa é boa”

Pode até ser, mas, como eu sempre digo, o brasileiro é ótimo de iniciativa e péssimo de “terminativa”. O problema dessa “maravilhosa ação” é o anonimato da página. Não dos denunciantes, mas da página! Na prática seria um perfil para difamar servidores a bel prazer com a segurança da impunidade movida pelo anonimato.

Imagina só, você estar trabalhando, normalmente, de repente encontra o filho ou a filha de algum amigo em seu ambiente de trabalho, cumprimenta-o como de costume em ambientes informais, quem sabe com um abraço ou um beijo no rosto, na sua mente, isso é normal, porém, uma terceira pessoa, que não está envolvida e não sabe o contexto da conversa, olha aquilo, julga como assédio e te expõe em uma rede social. Sua reputação pode ir para a lama e, quem sabe, seu emprego também, pois, ainda que seja absolvido das sanções legais, a sua imagem estará destruída porque alguém te expôs indiscriminadamente. Acha isso justo? Pois bem, isso acontece diariamente nas redes sociais.

“Ah, mas o dono da página pode ser responsabilizado”

Como, cara pálida? A página é anônima, faz os relatos de forma anônima, expõe sem nenhuma responsabilidade. Nas redes sociais o anonimato anda de mãos dadas com a impunidade.


Recentemente, em retaliação ao meu último artigo, diversas mensagens de “amor” foram direcionadas a mim. Adivinha? 80% delas de forma anônima, perfis sem foto, cujo nome é algo do tipo “Missionário da Última Hora”, “Fulano de Tal Gamer”, “FreeFire82411”, etc. Eu, particularmente não me importo, inclusive, podem continuar me xingando, porém, mostrar a cara é essencial! Não se debate com fantasmas. Se é homem/mulher para expor sua “opinião” por que não mostra o rosto?

“Ah, mas temos o direito à liberdade de expressão. Você não pode censurar e calar a voz das pessoas”

Amo refutar esse argumento quando falo de covardes de redes sociais. Vamos ao Art. 5º, inciso IV da Constituição de 1988:

“é livre a manifestação de pensamento, sendo vedado, o anonimato”

Como interpretação de texto não é o forte do brasileiro médio, vou explicar: você é livre para falar o que quiser, para expor o que pensa, entretanto, não pode se esconder, não pode ficar anônimo. Logo, não se pode invocar liberdade de expressão e pensamento se você não mostra quem está se expressando.

E por que as pessoas usam o anonimato? Para fugir de responsabilidades cíveis e criminais de suas expressões, opiniões e ações digitais. O inciso V, do mesmo Art. 5º da constituição diz o seguinte:

“É assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além de indenização por dano material, moral ou à imagem”

Repito, o anonimato é gêmeo siamês da impunidade. É muito fácil criar um perfil anônimo e difamar uma pessoa ou marca, sabendo que não sofrerá as sanções legais de seus atos. Você destrói uma reputação, fazendo uso de mentiras ou fatos descontextualizados, e sabe que não precisará assegurar direito de resposta e, tampouco, indenizar por suas colocações.

O anonimato virou mercado. Estudos apontam que perfis e páginas de notícias anônimas tem mais engajamento que os canais oficiais ou tradicionais. Perfis anônimos também são usados pelos conhecidos “gabinetes de ódio”, com a finalidade de fazer “bombar” hashtags, criar e difundir fake news a fim de manipular a forma como as pessoas pensam certos assuntos.

As eleições americanas de 2016 e as brasileiras de 2018 serviram de marco histórico para esse tipo de mercado de manipulação digital. Os anônimos eram (e são) utilizados para repercutir sistematicamente uma determinada informação para que, de tanto se repetir, a mentira se torne verdade e a grande massa comece a pensar que aquele “fato” é irrefutável.

Por fim, retomando o raciocínio do início, as redes sociais e a internet democratizaram as comunicações, entretanto, também viabilizaram a ideia de “donos da razão”. Ninguém quer estar errado e, quando contrariados, os anônimos brotam para fazer “justiça” e sujar reputações de pessoas, veículos de imprensa, empresas, etc.. Esses seres abjetos sempre estão fazendo uso de palavras de baixo calão e munidos das melhores intenções no coração, pois, como pessoas de bem, elas querem o melhor para o mundo e o melhor é que todos concordem com eles, do contrário serão cancelados. Simples assim.

Tempos ainda mais obscuros virão.

Professor de Humanidades da rede pública, graduado em História, Geografia e Sociologia, especialista em Ciência Política e Antropologia, coordenador acadêmico e, agora, colunista DiBahia. Missões: Explicar o Brasil para os brasileiros e expor a hipocrisia das ELITES RELIGIOSAS de nossa região.

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Sociedade

Pastora arruma segunda esposa para marido pastor após revelação

Publicado

em

Por

Pastores Éden Asvolinsque e Fernanda Asvolinsque e nova esposa
Voiced by Amazon Polly

De posse dessa ‘promessa mortal’, a pastora já arrumou a sua substituta para se casar com o seu esposo pastor.

A pastora Fernanda Asvolinsque, de 43 anos, que lidera com o seu esposo, o pastor Éden Asvolinsque, a Igreja Juventude de Cristo em Barra Mansa (RJ), desta vez foi longe demais.

O casal está sendo alvo de muitas críticas desde que a pastora arrumou uma jovem para ser a segunda esposa do seu marido.

A justificativa da religiosa é que, em novembro de 2020, ela recebeu uma revelação de Deus, de que está sendo preparada para ser ‘colhida’ da terra em 2021, ou seja, vai morrer esse ano.

De posse dessa ‘promessa mortal’, a pastora já arrumou a sua substituta para se casar com o pastor, quando ela for para o plano espiritual.

Fernanda afirma que está muito doente, mas que não irá ao médico, porque a vontade de Deus é de que ela morra esse ano.

“Deus disse a mim desde novembro, que está me preparando, porque Ele vai me colher nesse ano. Eu tô com paz na minha alma, estou bem resolvida em relação a tudo isso… Agora era o momento de vocês blindarem o pastor, blindarem a minha casa, blindarem a minha família, blindarem a igreja… Eu ouvi, eu sei o que Deus falou pra mim”, disse a pastora.

As declarações da pastora geraram polêmica no meio evangélico, e muitos acreditam, inclusive, que tudo não passa de uma armação do casal que, supostamente, curte um relacionamento a três. Ou que até mesmo estão separados, mas não querem tornar público, para não perder os fiéis e seus dízimos.

Após muitas críticas e insinuações contra o casal de pastores, que agora é um trisal, a pastora Fernanda desabafou nos Stories do seu Instagram.

Veja o vídeo na integra.

Continue lendo

Copyright © 2021 DiBahia CNPJ: 41.275.067/0001-16