Conecte-se conosco

Mundo

Crânio de dinossauro ‘amedrontador’ é encontrado na Patagônia

Publicado

em

Ilustração do Llukalkan aliocranianus a partir de características descobertas por cientistas na Argentina — Foto: Reuters

Llukalkan aliocranianus era carnívoro, tinha cerca de 5 metros de comprimento e habitava a América do Sul há 85 milhões de anos.

Explorando fósseis no sul da Argentina, cientistas encontraram o crânio de um grande dinossauro carnívoro batizado como “aquele que causa medo”, a partir de vocábulos da língua nativa mapuche.

O Llukalkan aliocranianus tinha chifres, cerca de 5 metros de comprimento e habitava a América do Sul há 85 milhões de anos, no período Cretáceo — o último antes da extinção dos dinossauros.

Pesquisadores também encontraram fósseis de outro dinossauro carnívoro por perto, uma proximidade segundo eles incomum.

As descobertas na região da Patagônia argentina foram apresentadas na terça-feira (30/3) na revista científica Journal of Vertebrate Paleontology.

Raio-x do dinossauro

Como o Tyrannosaurus rex, o Llukalkan aliocranianus tinha duas pernas e braços muito curtos, mas um tamanho médio em comparação com o gigantesco T. Rex.

O animal tinha ainda chifres curtos e dedos minúsculos. Estima-se que o Llukalkan aliocranianus pesasse entre uma e cinco toneladas, um pouco mais leve do que um elefante africano adulto.

Provavelmente era um predador temível, com mordida forte e crânio grande.

As descobertas sugerem também que o dinossauro encontrado na Patagônia tinha uma audição melhor do que outros dinossauros da família dos abelisaurídeos, o que provavelmente o tornava um melhor caçador, explicou Federico Gianechini, paleontólogo da Universidade Nacional de San Luis, na Argentina, à agência de notícias Reuters.

Perto do crânio, cientistas encontraram os restos fossilizados de um dinossauro carnívoro ligeiramente maior, chamado Viavenator exxoni.

Gianechini disse que é muito incomum encontrar dois abelisaurídeos vivendo juntos ao mesmo tempo.

“O Llukalkan era um pouco menor do que Viavenator. Se viveram juntos, certamente compartilhavam o mesmo nicho ecológico e se alimentavam das mesmas presas. Então, podem ter competido entre si e, por que não, até comido um ao outro”, disse à Reuters.

Nas últimas décadas, a Argentina revelou várias descobertas de fósseis importantes. Em 2014, foram encontrados no país os restos de um dinossauro que pesava quase o mesmo que 14 elefantes.

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Mundo

Aquecimento global ameaça cidades costeiras, alertam peritos da ONU

Publicado

em

Por

Voiced by Amazon Polly

A subida do nível do mar, as inundações e a intensificação das ondas de calor ameaçam as cidades costeiras em todo o mundo, diz relatório provisório do Painel Intergovernamental de Especialistas sobre a Evolução do Clima (IPCC, na sigla em inglês).

De Bombaim a Miami, Daca ou Veneza, essas cidades e os seus milhões de habitantes que vivem na foz dos estuários ou nas linhas sinuosas da costa estão “na linha da frente” da crise climática, que corre o risco de redesenhar os mapas dos continentes, afirma o documento.

“O nível do mar continua a subir, as inundações e as ondas de calor são cada vez mais frequentes e intensas e o aquecimento aumenta a acidez do oceano”, observam os cientistas no relatório de 4 mil páginas sobre os impactos das mudanças climáticas.

De acordo com os peritos climáticos, é preciso “fazer escolhas difíceis”.

Praia da Boa Viagem em Pernambuco, avanços constantes do mar e prejuízos econômicos e sociais

Sob o efeito combinado da expansão dos oceanos e do degelo causado pelo aquecimento, a subida do nível do mar também ameaça contaminar os solos agrícolas com água salgada e engolir infraestruturas estratégicas, como portos ou aeroportos.

Um “perigo para as sociedades e para a economia mundial em geral”, alerta o IPCC, lembrando que cerca de 10% da população mundial e dos trabalhadores estão a menos de dez metros acima do nível do mar.

“Para algumas megalópoles, deltas, pequenas ilhas e comunidades árticas, as consequências podem ser sentidas muito rapidamente, durante a vida da maioria das populações atuais”.

De acordo com os peritos, o nível do oceano pode subir 60 centímetros até ao final do século.

“O destino de muitas cidades costeiras é sombrio sem uma queda drástica nas emissões de CO2”, dizem os pesquisadores, acrescentando que “qualquer que seja a taxa dessas emissões, o aumento do nível dos oceanos acelera e continuará a ocorrer durante milénios”.

“A maioria das cidades costeiras pode morrer. Muitas delas serão dizimadas por inundações de longo prazo. Em 2050, teremos uma imagem mais clara”, disse Ben Strauss, da organização Climate Central.

Mas, apesar dessas previsões sombrias, as cidades costeiras continuam a crescer, multiplicando as vítimas em potencial, especialmente na Ásia e na África.

Segundo o documento, um aquecimento global acima do limiar de 1,5 ºC (grau centígrado), fixado pelo acordo de Paris, teria “impactos irreversíveis para os sistemas humanos e ecológicos”. Os peritos afirmam que a sobrevivência da humanidade pode estar ameaçada.

Com as temperaturas médias subindo 1,1 °C desde meados do século 19, os efeitos no planeta já são graves e podem se tornar cada vez mais violentos, ainda que as emissões de dióxido de carbono (CO2) venham a ser reduzidas. 

BR 367 em orla norte de Porto Seguro, problemas constantes para maquiar uma questão bem maior no futuro

Falta de água, fome, incêndios e êxodo em massa são alguns dos perigos destacados pelos peritos da ONU.

O relatório de avaliação global dos impactos do aquecimento, criado para apoiar decisões políticas, é muito mais alarmante que o antecessor, divulgado em 2018.

O documento deverá ser publicado em fevereiro de 2022, após a aprovação pelos 195 Estados-membros da ONU e depois da conferência climática COP26, marcada para novembro em Glasgow, na Escócia.

Prevista originalmente para novembro de 2020, a 26.ª Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP26), com líderes de 196 países, empresas e especialistas, foi adiada devido à pandemia de covid-19.

Agência Brasil

Continue lendo

Copyright © 2021 DiBahia CNPJ: 41.275.067/0001-16