Conecte-se conosco

Economia

Real tem pior desempenho do mundo com agravamento da pandemia minando perspectivas

Publicado

em

Com o rali de hoje, o dólar zerou as perdas acumuladas desde a semana passada, quando o BC elevou os juros em ritmo mais forte que o imaginado

O dólar saltou 2,20% nesta quarta-feira e registrou a maior alta diária em seis meses, voltando a ficar acima de 5,60 reais, num movimento puxado pela piora da percepção de risco relacionado ao Brasil à medida que a pandemia explode no país e ameaça a perspectiva de retomada econômica e de debate sobre reformas.

O Morgan Stanley rebaixou a previsão de crescimento da economia brasileira de 4,3% para 3,5% em 2021, citando impactos justamente do agravamento da crise sanitária, além da persistente incerteza fiscal e, agora, inflacionária.

Com o rali desta sessão, o dólar zerou as perdas acumuladas desde a semana passada, quando o Banco Central surpreendeu ao elevar os juros em ritmo mais forte que o imaginado.

O dólar à vista fechou esta quarta cotado a 5,6380 reais na venda. A alta de 2,20% é a mais forte desde 18 de setembro de 2020 (+2,77%).

A moeda mostrou grande oscilação entre a mínima (5,491 reais, queda de 0,47%) e a máxima (5,6435 reais, ganho de 2,30%).

Mas a menor cotação do dia foi registrada logo no começo do pregão. Já na sequência, o dólar entrou numa gradual e estável rota ascendente, alcançando os picos intradiários já perto do encerramento dos negócios no mercado à vista.

“Existe um incômodo com fiscal, dívida e a pandemia em aceleração”, disse Joaquim Kokudai, gestor na JPP Capital. “A percepção do estrangeiro em relação ao Brasil realmente está ruim”, completou.

Evidência disso, segundo o gestor, foi mais um dia de salto nas taxas de juros dos contratos de DI da B3, que chegaram ao fim da tarde em altas de até 30 pontos-base.

A inclinação entre os DIs janeiro 2027 e janeiro 2023 –uma medida de percepção de risco– saltou a 212,5 pontos-base nesta quarta, de 201 pontos-base da terça e bem acima do nível de 170 pontos-base do dia 18 de março, quando o prêmio de risco na curva caiu após o BC elevar inesperadamente a Selic em 0,75 ponto percentual, para 2,50% ao ano.

Mesmo o Ibovespa, que resistiu em alta durante boa parte da sessão, acabou virando para queda de 1,06% no fechamento.

O mal-estar no mercado brasileiro também teve componente externo, já que as praças em Wall Street caíram e o dólar subiu frente a uma cesta de rivais, mas a intensidade das perdas aqui voltou a ser maior. O real teve, de longe, o pior desempenho no mundo nesta quarta, e o Ibovespa contrariou o sinal da maioria de seus pares latino-americanos, que fechou em alta.

Causou ruído decisão do Ministério da Saúde de promover mudanças em registros de morte por Covid-19, suspensa posteriormente devido a pressão de governadores.

A tentativa de alteração pela pasta ocorreu no dia seguinte à divulgação de que o país contabilizou pela primeira vez mais de 3 mil mortos em 24 horas por Covid-19, aproximando-se da marca de 300 mil vítimas. O Brasil é hoje o epicentro global da pandemia e tem causado preocupação entre autoridades de saúde e governos de todo o mundo devido à incapacidade de controlar a disseminação da doença.

Mais cedo, após reunião entre os chefes dos Poderes, ministros e governadores, o presidente Jair Bolsonaro anunciou a criação de mais um comitê, com a responsabilidade de definir as ações do combate à epidemia de Covid-19, em coordenação com os governadores.

Mesmo depois do discurso da noite da véspera, em que se mostrou favorável às vacinas, ainda há dúvidas no mercado sobre em que medida o presidente adotará uma postura mais combativa em relação à crise sanitária.

Na avaliação de profissionais do Barclays, o Brasil está hoje envolto na intensificação de três crises –aceleração da pandemia, deterioração de perspectivas de crescimento e crescente risco de ruptura fiscal–, com fator adicional vindo do ressurgimento do ex-presidente Lula na cena política.

O banco privado ainda vê chances de o real se apreciar no período de três a seis meses, mas estima que o alívio durará pouco, com a moeda voltando a sofrer no quarto trimestre à medida que discussões sobre o Orçamento de 2022 e o teto de gastos antes das eleições de 2022 ganhem tração. A previsão é que o dólar feche 2021 em 5,50 reais.

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Economia

Por que o dólar ‘emperrou’ nos R$ 5 e o que o impede de cair mais?

Publicado

em

Por

Voiced by Amazon Polly

Especial CNN – Depois de cair 14% em três meses, taxa de câmbio está presa há duas semanas na cotação entre R$ 5 e R$ 5,10, e hesita em passar para a faixa dos R$ 4

Juliana Elias, do CNN Brasil Business, em São Paulo

Desde quando voltou a bater impressionantes R$ 5,88, no início de março, o dólar engatou numa ladeira que o derrubou em poucos meses até os R$ 5,03 de seu fechamento nesta quinta-feira (17). A queda desde o pico foi de 14%.

É o menor valor e também o mais próximo do piso dos R$ 5 desde a última vez em que a moeda norte-americana viu a cara dos R$ 4, em 10 de junho do ano passado, quando fechou valendo R$ 4,94 para depois subir e nunca mais voltar.  

Já faz, no entanto, duas semanas que a cotação do dólar cruzou para menos dos R$ 5,10 pela primeira vez em 2021, e aí parou. No pregão da quarta-feira, ela até chegou a ficar por um instante nos R$ 4,98, mas foi de novo trazida para cima dos R$ 5 depois que o banco central dos Estados Unidos abalou os mercados ao dizer que pode subir seus juros antes do previsto. 

Há duas semanas na cotação entre R$ 5 e R$ 5,10

É como se o dólar estivesse preso numa armadilha psicológica entre o R$ 5 e o R$ 5,10 que o impede de finalmente cruzar a linha e começar a testar novos territórios na casa dos R$ 4, abrindo o caminho para que possa voltar aos patamares em que era negociado antes da pandemia. No início de 2020, o dólar era cotado na faixa de R$ 4. 

É uma barreira bastante similar à que parece estar prendendo o Ibovespa, o principal índice acionário da bolsa brasileira, que, depois de bater uma série de recordes sucessivos e chegar aos 130 mil pontos pela primeira vez de sua história, pareceu desistir e fica agora flutuando em pequenas oscilações para baixo disso. 

O dólar é conhecido por ser o indicador mais traiçoeiro que existe: como varia a cada segundo e por qualquer coisa, os economista já sabem que fazer projeções para ele é garantia de erro. Ainda assim, acompanhar sua tendência é ter um importante termômetro de como está a economia doméstica em relação ao restante do mundo. 

130 mil pontos pela primeira vez de sua história, pareceu desistir e fica agora flutuando em pequenas oscilações para baixo disso. 

Economia mais fortes e juros mais atrativos

Significativa melhora tanto nas perspectivas para o PIB do Brasil quanto para o seu resultado fiscal, com uma dívida que não deve mais ficar tão pesada quanto se chegou a imaginar após os gastos vultosos da pandemia, são os principais fatores que ajudaram a virar a chave do dólar nos últimos meses e empurrá-lo ladeira abaixo até o chão dos R$ 5.

Os aumentos fortes já feitos pelo Banco Central na taxa básica de juros do país desde março também entram na conta, já que juros mais altos ajudam a atrair investidores para os títulos domésticos.

Com essa mudança de cenário, já há os primeiros que falam em um dólar que pode se firmar em breve em algum novo lugar abaixo dos R$ 4 – a corretora Genial Investimentos, por exemplo, diz em relatório recente que a moeda pode seguir caindo até os R$ 4,60 até o final deste ano, caso não haja nenhuma grande nova reviravolta no Brasil ou no mundo. 

“A menos que o Fed [Federal Reserve, banco central americano] decida começar a reduzir as compras de ativos financeiros no mercado antes do esperado, o que parece pouco provável, a valorização do real deverá persistir, podendo atingir um nível próximo a R$ 4,60 no final de 2021”, escreveram os analistas da corretora.

Para outros, porém, o mais provável é que o dólar continue estacionado nesta barreira dos R$ 5, podendo eventualmente passar temporadas de alguns dias abaixo disso, mas sempre voltando para a parte de cima depois. 

“Os problemas estruturais fiscais do país ainda estão aí; os auxílios emergenciais, que ajudaram a segurar o PIB, causaram um rombo muito grande nas contas”, diz Fernando Bergallo, diretor da operadora de câmbio FB Capital. “Esse dólar só rompe a barreira dos R$ 5 e vem para R$ 4,70 ou R$ 4,80 com as reformas andando.”

valorização do real deverá persistir, podendo atingir um nível próximo a R$ 4,60 no final de 2021

Na dependência dos EUA

“Estamos hoje melhor do que estávamos pouco tempo atrás para passar pelos riscos externos”, disse  a economista-chefe da Armor Capital, Andrea Damico. 

“Mas não consigo enxergar o dólar consistentemente abaixo dos R$ 5, ficando em R$ 4,70 ou R$ 4,50, por exemplo. Ele deve continuar flutuando ao redor desses R$ 5 ou R$ 5,10, porque, quando começar a discussão a respeito do ‘tapering’ [redução dos estímulos] nos Estados Unidos, será um cenário desfavorável para os países emergentes.”

O “tapering”, ou “estreitamento” em inglês, é o nome dos economistas para a retirada gradual dos estímulos extraordinários que o banco central norte-americano, o Fed, passou a injetar no ano passado, no auge da pandemia. São bilhões de dólares vertidos todos os meses sobre a economia em compra de títulos do mercado financeiro, o que garante que o dinheiro e o apetite dos investidores continuem girando.  

Como, porém, tanto a economia quando a inflação dos EUA já estão andando muito mais forte do que o imaginado, a expectativa é que esse megapacote de incentivos do Fed comece a ser enxugado em algum momento do segundo semestre. E um dos resultados inevitáveis disso é a redução desse apetite do dinheiro global por ativos de risco, fazendo com que países emergentes percam capitais enquanto o dólar volta a se fortalecer em relação a suas moedas. 

A projeção da Armor Capital é de um dólar a R$ 5,30 ao final de 2021. No Boletim Focus, relatório semanal do Banco Central com projeções feitas por mais de 100 bancos e consultorias, a expectativa média está em R$ 5,18, o que significa ainda um aumento em relação aos patamares de hoje. Ainda assim, já é uma forte revisão em relação a semanas anteriores, quando esse número estava em R$ 5,30.

Especial CNN Brasil

Continue lendo

Copyright © 2021 DiBahia CNPJ: 41.275.067/0001-16