Conecte-se conosco

Brasil

Empregada doméstica joga 10 mil reais no lixo sem querer

Publicado

em

Um situação inusitada aconteceu com uma moradora de Recife, a qual quase perdeu R$ 10 mil em espécie. É que a empregada doméstica que trabalha para a mulher, jogou no lixo, sem saber, um pacote que havia dinheiro. O dinheiro foi recuperado por garis e devolvido para a dona após três horas de busca em meio ao lixo.

A dona do dinheiro também contou com a sorte, já que o caminhão que fazia a coleta de lixo e recolheu o pacote, foi rastreado por meio de GPS pela Autarquia de Manutenção e Limpeza urbana (emlurb). A procura pelo valor começou quando a funcionária pública Luiza Martins que trabalha na Emlurb, recebeu um telefonema avisando que havia dinheiro no lixo. O valor estava embrulhado em um pedaço de papel.

“Eu fiquei super assustada. Uma pessoa ligou e disse que botou uma importância de R$ 10 mil no lixo, numa época dessa. Eu me desesperei, disse ‘vamos fazer alguma coisa para ajudar'” — disse a mulher, após saber do sumiço da quantia citada anteriormente.

Segundo o gerente da Fiscalização e Limpeza da Emlurb, foi fácil localizar qual equipe de coletores retirou o lixo do local. Os coletores levaram três horas para encontrar o dinheiro e disseram que não parariam até achassem.

Fonte: G1

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Brasil

Estudo busca descobrir se a resposta imune de vacinados ou infectados será eficaz contra novas variantes do coronavírus

Publicado

em

Por

Voiced by Amazon Polly

Os pesquisadores querem saber se é possível prever se uma pessoa continuará vulnerável à Covid-19.

A pesquisa é realizada em cinco países, entre eles o Brasil, onde conta com a participação de dois mil e 600 profissionais de saúde.

Ao todo são sete mil voluntários monitorados e o objetivo é verificar quais respostas imunes podem não ser tão eficazes.

Outro alvo do estudo é analisar se a vacina BCG, que é aplicada em recém-nascidos no mundo todo, ajuda a melhorar as defesas do organismo em quem recebe as vacinas da Pfizer, da Astrazeneca ou a CoronaVac.

A relação com a Covid é investigada porque a BCG, além de prevenir formas graves de tuberculose, protege contra infecções.

O estudo é liderado pelo Instituto de Pesquisa Infantil Murdoch, na Austrália e, no Brasil, tem a colaboração da Fundação Oswaldo Cruz, a Fiocruz.

Continue lendo

Copyright © 2021 DiBahia CNPJ: 41.275.067/0001-16