Conecte-se conosco

Economia

Ibovespa fecha em queda com risco fiscal e baixa de bancos ofuscando recuperação da Petrobras; dólar cai a R$ 5,37

Publicado

em

Mercado encerra sessão com desempenho negativo e faz terceira sessão consecutiva com desempenho negativo

SÃO PAULO – O Ibovespa fechou em queda nesta quarta-feira (10) com as atenções voltadas ao Congresso. O projeto que garante a autonomia do Banco Central foi aprovado na Câmara dos Deputados por 339 votos a 114. O texto já passou pelo Senado e agora vai a sanção presidencial depois de votados os destaques.

Apesar da vitória nessa pauta liberal, há ainda alguma preocupação com a possibilidade do governo estourar o teto de gastos para estender o auxílio emergencial.

De acordo com a equipe de análise da XP Política, o Ministério da Economia tem apresentado em conversas com parlamentares a proposta de liberar uma nova rodada do programa social desde que aprovada em meio a contrapartidas que diminuem a pressão sobre o Orçamento, como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial e a PEC do Pacto Federativo.

“O time econômico conta com a pressão pelo auxílio exercida pelos próprios congressistas como combustível para fazer avançar essas medidas duras da proposta em um prazo curto de tempo”, analisa a XP Política.

Lá fora, as bolsas fecharam entre perdas e ganhos com pouco impacto do evento mais esperado do dia, o discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, que disse que há “riscos de baixa” para a economia dos Estados Unidos, no quadro atual.

Durante evento virtual do Clube Econômico de Nova York, Powell comentou que não é possível garantir quando haverá a chamada “imunidade de rebanho” para a Covid-19, possibilitando uma reabertura total da economia.

Nesse contexto, o presidente do Fed descartou qualquer interesse neste momento dos dirigentes em conduzir uma redução no balanço do banco central. “O balanço do Fed terá o tamanho que tiver de ter para apoiar a recuperação”, ressaltou.

Entre os indicadores, as vendas do varejo caíram 6,1% em dezembro na comparação com o mês anterior, revelou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A expectativa mediana dos economistas era de retração de 0,7% no período. No acumulado no ano, o varejo passou de 1,3% em novembro para 1,2% em dezembro, indicando estabilidade no ritmo de vendas.

O Ibovespa teve queda de 0,87%, a 118.435 pontos com volume financeiro negociado de R$ 32,83 bilhões. Foi a terceira queda consecutiva do índice.

Quem mais pressionou o índice depois que a Petrobras (PETR3PETR4) zerou perdas foram os papéis do setor financeiro, com baixas de 0,72% do Itaú Unibanco (ITUB4), de 1,1% do Bradesco (BBDC3BBDC4), de 1,4% do Banco do Brasil (BBAS3) e de 3,5% da B3 (B3SA3). Juntas, as ações das quatro blue chips financeiras correspondem a 19,6% da composição da carteira teórica do Ibovespa.

Enquanto isso, o dólar comercial caiu 0,22% a R$ 5,3706 na compra e a R$ 5,3711 na venda. Já o dólar futuro com vencimento em março registra leve variação positiva de 0,05%, a R$ 384 no after-market.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 caiu três pontos-base a 3,37%, o DI para janeiro de 2023 teve queda de 10 pontos-base a 4,89%, o DI para janeiro de 2025 recuou cinco pontos-base a 6,42% e o DI para janeiro de 2027 registrou variação negativa de um ponto-base a 7,11%.

Hoje nos Estados Unidos, os investidores continuaram a monitorar as discussões sobre um pacote de estímulos à economia americana, como forma de lidar com a Covid.

Na Câmara dos EUA, congressistas divulgaram na segunda (8) detalhes da proposta, que inclui o pagamento direto de US$ 1.400 a cidadãos que ganham até US$ 75 mil por ano, como parte do pacote de US$ 1,9 trilhão defendido pela gestão do democrata Joe Biden.

Democratas rechaçaram a ideia de limitar o pagamento integral do auxílio a cidadãos que ganhassem até US$ 50 mil, mantendo o patamar de US$ 75 mil e reduzindo mais intensamente o valor do repasse para o caso daqueles que ganham acima deste patamar.

Investidores também acompanham o processo de impeachment contra o ex-presidente republicano Donald Trump, que teve início na terça. É o segundo processo de impeachment contra o político, que se iniciou com o debate sobre a constitucionalidade do processo, levando em conta que Trump já deixou seu cargo.

Trump é acusado de ter incitado manifestantes a invadirem o Capitólio, sede do poder Legislativo dos Estados Unidos, em janeiro deste ano, enquanto questionava o processo democrático do país. A invasão deixou um saldo de 5 mortos.

Já na China, segundo dados divulgados pelo Escritório Nacional de Estatísticas, o índice de preços ao consumidor caiu 0,3% em janeiro, em comparação com o mesmo período de 2020. O índice de preços ao produtor teve alta de 0,3% no mesmo período.

Vacinação no Brasil

O consórcio de veículos de imprensa que sistematiza dados sobre Covid coletados por secretarias estaduais de Saúde no Brasil divulgou, às 20h de terça (9), o avanço da pandemia em 24 h no país.

A média móvel de casos confirmados em 7 dias foi de 45.111, queda de 12% frente ao período encerrado 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 51.733 casos. A média móvel de mortes em 7 dias foi de 1.029, queda de 2% frente ao patamar registrado 14 dias antes, marcando 20 dias com a média acima de 1 mil. Em apenas um dia houve 1.340 mortes.

Até o momento, 4.052.986 pessoas receberam a primeira dose da vacina contra a Covid no Brasil, o equivalente a 1,91% da população brasileira. A segunda dose foi aplicada em 49.546 pessoas, em Minas Gerais, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Sergipe e no Distrito Federal.

Na terça, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu que vacinas compradas pelo Ministério da Saúde por meio do consórcio internacional Covax Facility, que reúne 150 países liderados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) com o intuito de impulsionar o desenvolvimento e a distribuição de vacinas contra a Covid, estão dispensadas da exigência de registro e de autorização temporária para uso emergencial.

A previsão é de que o país receba 10,6 milhões de doses de vacinas por meio do consórcio no primeiro semestre de 2021. No total, o país deverá receber 42 milhões de doses, por R$ 2,5 bilhões.

Além disso, um avião com 5.600 litros de matéria-prima para a produção da CoronaVac deve chegar no fim da tarde no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. De acordo com o Instituto Butantan, parceiro na produção da vacina Sinovac no Brasil, o material deverá ser o suficiente para produzir 8,7 milhões de doses do imunizante.

Radar corporativo

No radar do mercado, A TIM Brasil fechou o quarto trimestre de 2020 com lucro líquido de R$ 1,013 bilhão, uma alta de 10,4% em relação ao mesmo período de 2019, de acordo com balanço publicado nesta terça-feira, 9. No ano inteiro, o lucro líquido totalizou R$ 1,844 bilhão, baixa de 49,1% em relação ao ano anterior.

Já a elétrica Neoenergia registrou lucro líquido de R$ 996 milhões no quarto trimestre de 2020, alta de 61% em comparação com igual período do ano anterior, informou nesta terça-feira a empresa, controlada pela espanhola Iberdrola. O Ebitda foi de R$ 2,1 bilhões no último trimestre do ano passado, versus R$ 1,5 bilhão na mesma etapa de 2019.

Maiores altas

ATIVOVARIAÇÃO %VALOR (R$)
SUZB32.2488868.2
PRIO32.1739179.43
TOTS31.8812831.41
PETR31.2269928.05
WEGE31.1998686.03

Maiores baixas

ATIVOVARIAÇÃO %VALOR (R$)
BPAC11-4.37038108.75
COGN3-4.07244.24
EZTC3-3.9087935.4
VVAR3-3.884814.35
CIEL3-3.694583.91

A fabricante de pás eólicas Aeris registrou lucro líquido de R$ 15,629 milhões no quarto trimestre de 2020, queda de 61,2% em relação ao observado em igual período de 2019. No acumulado do ano, o lucro líquido aumentou 27,6%, para R$ 113,2 milhões. A BrasilAgro, por sua vez, teve prejuízo de R$ 23,5 milhões, revertendo lucro de R$ 20,4 milhões na base anual.

No radar de recomendações, a ABC Brasil foi elevada a outperform por Bradesco BBI, enquanto a Engie Brasil foi elevada a neutra pelo mesmo banco, com preço-alvo de R$ 48. O Credit Suisse, por sua vez, reduziu a recomendação para a ação da Ultrapar para neutra, com preço-alvo de R$ 24.

A Petrobras concluiu a venda de 50% da BSBios por R$ 253 milhões. O BB-BI vendeu a fatia de 17,45% na Kepler Weber.

Já entre os IPOs, a ação da Bemobi tem seu primeiro pregão na sessão desta quarta. Ainda em destaque, a Westwing precificou o IPO a R$ 13 por ação, perto de topo da faixa. A Cruzeiro do Sul precificou o IPO a R$ 14 por ação, abaixo da faixa.

Fonte: InfoMoney

Continue lendo
Propaganda
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Economia

Por que o dólar ‘emperrou’ nos R$ 5 e o que o impede de cair mais?

Publicado

em

Por

Voiced by Amazon Polly

Especial CNN – Depois de cair 14% em três meses, taxa de câmbio está presa há duas semanas na cotação entre R$ 5 e R$ 5,10, e hesita em passar para a faixa dos R$ 4

Juliana Elias, do CNN Brasil Business, em São Paulo

Desde quando voltou a bater impressionantes R$ 5,88, no início de março, o dólar engatou numa ladeira que o derrubou em poucos meses até os R$ 5,03 de seu fechamento nesta quinta-feira (17). A queda desde o pico foi de 14%.

É o menor valor e também o mais próximo do piso dos R$ 5 desde a última vez em que a moeda norte-americana viu a cara dos R$ 4, em 10 de junho do ano passado, quando fechou valendo R$ 4,94 para depois subir e nunca mais voltar.  

Já faz, no entanto, duas semanas que a cotação do dólar cruzou para menos dos R$ 5,10 pela primeira vez em 2021, e aí parou. No pregão da quarta-feira, ela até chegou a ficar por um instante nos R$ 4,98, mas foi de novo trazida para cima dos R$ 5 depois que o banco central dos Estados Unidos abalou os mercados ao dizer que pode subir seus juros antes do previsto. 

Há duas semanas na cotação entre R$ 5 e R$ 5,10

É como se o dólar estivesse preso numa armadilha psicológica entre o R$ 5 e o R$ 5,10 que o impede de finalmente cruzar a linha e começar a testar novos territórios na casa dos R$ 4, abrindo o caminho para que possa voltar aos patamares em que era negociado antes da pandemia. No início de 2020, o dólar era cotado na faixa de R$ 4. 

É uma barreira bastante similar à que parece estar prendendo o Ibovespa, o principal índice acionário da bolsa brasileira, que, depois de bater uma série de recordes sucessivos e chegar aos 130 mil pontos pela primeira vez de sua história, pareceu desistir e fica agora flutuando em pequenas oscilações para baixo disso. 

O dólar é conhecido por ser o indicador mais traiçoeiro que existe: como varia a cada segundo e por qualquer coisa, os economista já sabem que fazer projeções para ele é garantia de erro. Ainda assim, acompanhar sua tendência é ter um importante termômetro de como está a economia doméstica em relação ao restante do mundo. 

130 mil pontos pela primeira vez de sua história, pareceu desistir e fica agora flutuando em pequenas oscilações para baixo disso. 

Economia mais fortes e juros mais atrativos

Significativa melhora tanto nas perspectivas para o PIB do Brasil quanto para o seu resultado fiscal, com uma dívida que não deve mais ficar tão pesada quanto se chegou a imaginar após os gastos vultosos da pandemia, são os principais fatores que ajudaram a virar a chave do dólar nos últimos meses e empurrá-lo ladeira abaixo até o chão dos R$ 5.

Os aumentos fortes já feitos pelo Banco Central na taxa básica de juros do país desde março também entram na conta, já que juros mais altos ajudam a atrair investidores para os títulos domésticos.

Com essa mudança de cenário, já há os primeiros que falam em um dólar que pode se firmar em breve em algum novo lugar abaixo dos R$ 4 – a corretora Genial Investimentos, por exemplo, diz em relatório recente que a moeda pode seguir caindo até os R$ 4,60 até o final deste ano, caso não haja nenhuma grande nova reviravolta no Brasil ou no mundo. 

“A menos que o Fed [Federal Reserve, banco central americano] decida começar a reduzir as compras de ativos financeiros no mercado antes do esperado, o que parece pouco provável, a valorização do real deverá persistir, podendo atingir um nível próximo a R$ 4,60 no final de 2021”, escreveram os analistas da corretora.

Para outros, porém, o mais provável é que o dólar continue estacionado nesta barreira dos R$ 5, podendo eventualmente passar temporadas de alguns dias abaixo disso, mas sempre voltando para a parte de cima depois. 

“Os problemas estruturais fiscais do país ainda estão aí; os auxílios emergenciais, que ajudaram a segurar o PIB, causaram um rombo muito grande nas contas”, diz Fernando Bergallo, diretor da operadora de câmbio FB Capital. “Esse dólar só rompe a barreira dos R$ 5 e vem para R$ 4,70 ou R$ 4,80 com as reformas andando.”

valorização do real deverá persistir, podendo atingir um nível próximo a R$ 4,60 no final de 2021

Na dependência dos EUA

“Estamos hoje melhor do que estávamos pouco tempo atrás para passar pelos riscos externos”, disse  a economista-chefe da Armor Capital, Andrea Damico. 

“Mas não consigo enxergar o dólar consistentemente abaixo dos R$ 5, ficando em R$ 4,70 ou R$ 4,50, por exemplo. Ele deve continuar flutuando ao redor desses R$ 5 ou R$ 5,10, porque, quando começar a discussão a respeito do ‘tapering’ [redução dos estímulos] nos Estados Unidos, será um cenário desfavorável para os países emergentes.”

O “tapering”, ou “estreitamento” em inglês, é o nome dos economistas para a retirada gradual dos estímulos extraordinários que o banco central norte-americano, o Fed, passou a injetar no ano passado, no auge da pandemia. São bilhões de dólares vertidos todos os meses sobre a economia em compra de títulos do mercado financeiro, o que garante que o dinheiro e o apetite dos investidores continuem girando.  

Como, porém, tanto a economia quando a inflação dos EUA já estão andando muito mais forte do que o imaginado, a expectativa é que esse megapacote de incentivos do Fed comece a ser enxugado em algum momento do segundo semestre. E um dos resultados inevitáveis disso é a redução desse apetite do dinheiro global por ativos de risco, fazendo com que países emergentes percam capitais enquanto o dólar volta a se fortalecer em relação a suas moedas. 

A projeção da Armor Capital é de um dólar a R$ 5,30 ao final de 2021. No Boletim Focus, relatório semanal do Banco Central com projeções feitas por mais de 100 bancos e consultorias, a expectativa média está em R$ 5,18, o que significa ainda um aumento em relação aos patamares de hoje. Ainda assim, já é uma forte revisão em relação a semanas anteriores, quando esse número estava em R$ 5,30.

Especial CNN Brasil

Continue lendo

Copyright © 2021 DiBahia CNPJ: 41.275.067/0001-16